Siga este Blogue e indique aos seus amigos, eles lhe agradecerão...

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Duração das penas eternas

Allan Kardec foi um homem genial, porque entre outras coisas, ele conseguiu se colocar acima e adiante de seu tempo. Ele não se prendeu a paradigmas ou preconceitos, mesmo tendo sofrido influência religiosa no berço (família católica) e na escola (protestante), ele não se prendeu a nenhum conceito dessas religiões. Homem de ciência, membro de várias sociedades científicas, também não se prendeu ao academicismo de sua época. Quando ele se debruçou na observação e no estudo dos ensinos dados pelos espíritos, o fez sem amarras e guiado pelo bom senso. Ousou questionar a espiritualidade sobre os pontos mais profundos acerca de Deus, do Universo e do próprio Homem. Sem idéias preconcebidas ele ouviu e observou, comparou e experimentou, aceitando todos os ensinamentos que passavam pelo crivo da lógica e da razão.
O mesmo não tem acontecido conosco, pois permanecemos atados a velhos arquétipos dos quais não conseguimos nos libertar, para realmente podermos aprender em profundidade tudo que o espiritismo tem para nos ensinar. Um assunto que ainda é mal compreendido é a Lei de Ação e Reação, pois ainda a vemos como se estivéssemos vendo a “Pena de Talião” do Velho Testamento, ou seja, o olho por olho e o dente por dente.
Por não se libertarem dos velhos paradigmas, muitas pessoas acreditam que se certo indivíduo ficou cego ou surdo nesta existência, foi porque furou os olhos de alguém ou perfurou os ouvidos de outro, em existências passadas. E o que é pior, acreditam que os homicidas e os suicidas, por exemplo, só resgatarão seus débitos se forem assassinados ou desencarnarem de forma violenta. Não percebem que há variantes e existem várias maneiras para se “pagar uma dívida”. Essas maneiras variam de indivíduo a indivíduo, já que cada um de nós está em pontos diferentes na escalada da evolução. A Pena de Talião teve seu tempo, todavia, já não atende ao bom senso e a lógica que o nosso tempo exige.

Eterna evolução
Nós, espíritas, temos como referencial os livros codificados por Allan Kardec, e no livro O Céu e o Inferno nós encontramos a seguinte explicação: A expiação varia segundo a natureza e a gravidade da falta. A mesma falta pode assim provocar expiações diferentes, segundo as circunstâncias atenuantes ou agravantes nas quais ela foi cometida. Com isso percebemos que intenção e situação estabelecem os atenuantes ou agravantes, e estes determinam o tipo e a duração das penas, que não são iguais nem na forma, nem na duração para ninguém. Temos que aprender a sermos flexíveis e deixarmos de generalizar tudo, pois cada caso é um caso, não há copias nem moldes prontos. Se por um lado a vida não se repete, por outro, as leis universais também não, pois são sábias e benevolentes conforme podemos ver em O Livro dos Espíritos onde está escrito: “A lei que rege a duração das penas é portanto eminentemente sábia e benevolente, pois subordina essa duração aos esforços do Espírito”.
Mesmo os ensinamentos dos espíritos sendo tão claros com relação às leis universais e a duração das penas, ainda existe quem acredite que independente do tempo que se tenha durado a pena, ela só será realmente paga quando o infrator a reparar com um tipo de sofrimento, ou dor, igual ao cometido por ele, ou seja, se ele envenenou terá que ser envenenado, se tiver mandando alguém para a fogueira terá que arder, mesmo que seja , através da lepra, e se decapitou alguém terá que perder a cabeça, nem que seja, em um acidente. Será que só nos libertaremos dos equívocos do passado dessa maneira? Será a Justiça Divina menos justa que a nossa? Não, não é isso que ensina a doutrina espírita. Vejamos o que diz a questão 1004 de O Livro dos Espíritos - Allan Kardec pergunta aos amigos espirituais, “O que determina a duração dos sofrimentos do culpado?”. Respondem eles: “O tempo necessário ao seu melhoramento. O estado de sofrimento e de felicidade sendo proporcional ao grau de pureza de Espírito, a duração e a natureza dos seus sofrimentos dependem do tempo que ele precisa para se melhorar. À medida que ele progride e que os seus sentimentos se depuram, seus sofrimentos diminuem e se modificam”. Como vemos, o que determina a duração e a liquidação da pena não é o tipo da expiação, mas sim, o melhoramento da criatura, é a superação de suas imperfeições e a sua volta aos caminhos do bem.
Precisamos seguir a atitude de Allan Kardec, e nos colocarmos acima e adiante de paradigmas e preconceitos, sejam eles religiosos ou não, pois sem isso ficaremos impossibilitados de compreender muitos pontos da doutrina espírita, pontos que nos exigem uma visão mais ampla e um raciocínio mais profundo. Ainda enxergamos pouco, porque não tivemos a coragem de tirar o véu que está sobre nossos olhos, ou seja, os paradigmas, e se nosso raciocínio é superficial é porque não temos o hábito de pensar e refletir com profundidade. Não esqueçamos as palavras do mestre de Lion “O espírita sério não se limita a crer, porque compreende, e compreende porque raciocina”.

Por José Antonio Ferreira da Silva

Sem comentários:

A Natureza é assim... Deus nos ensina se soubermos estar atentos...

A Natureza é assim... Deus nos ensina se soubermos estar atentos...
"Espíritas! Amai-vos, eis o primeiro mandamento; Instruí-vos, eis o segundo."

Vale a pena

Loading...

Se o amor se vai

Loading...