Siga este Blogue e indique aos seus amigos, eles lhe agradecerão...

segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

O SOL DA ESPERANÇA

Por vezes, a vida nos oferece maus momentos. Sofrimento, lágrimas e infelicidade nos visitam e nos sentimos desesperançados e infelizes.

Nesses momentos amargos, em que a alma dolorida se volta para Deus e indaga “Por que passo por essas provações?”, é a hora em que devemos lembrar de uma palavra luminosa: a esperança.

Narra a tradição grega que uma jovem chamada Pandora recebeu uma bela caixa com a recomendação de jamais abri-la.

Mas Pandora era curiosa e desobediente. Ao abrir a caixa, ela liberou todos os males, misérias e sofrimentos no Mundo.

Desesperada, Pandora chorou. Mais tarde, viu que, após saírem todas as mazelas, havia ficado, no fundo da caixa, a esperança. Brilhava sozinha a esperança - um fiozinho de luz que pulsava. Mas que poder possuía!

O mito de Pandora deve ser refletido profundamente, em especial quando estamos atravessando momentos difíceis.

Observe que, na lenda grega, é um ato da própria Pandora que liberta os males do Mundo. Na nossa vida não é muito diferente: em geral, somos nós mesmos que, de alguma forma, provocamos muitos males que nos atingem.

Por isso, cada momento difícil é uma oportunidade de meditarmos e analisarmos qual foi a nossa contribuição para aquela situação.

No entanto, a lenda de Pandora vai além: ela mostra que – apesar da gravidade dos sofrimentos – não estamos completamente sós: há uma luz posta por Deus para nos consolar e devolver o brilho em nossos olhos.

Essa luz é a esperança.

Esperança que restaura as forças, reequilibra o coração, acalma as emoções.

A esperança é a mão generosa que acende a luz quando estamos mergulhados na treva profunda. É medicamento quando nos contorcemos em dores.

Esperança é canção suave, que nos acalenta quando nos sentimos desamparados. É um olhar de compaixão no instante em que o Mundo nos rejeita.

A esperança nasce de gestos de generosidade, de atitudes espontâneas, de palavras corretas.

Mas não se habitue apenas a esperar que a esperança venha gratuitamente se aninhar no seu coração. Abra as portas da alma para ela!

Para isso, é necessário educar o coração.

A esperança é como um visitante importante. Devemos nos preparar adequadamente para recebê-la. A primeira atitude é retirar a poeira do pessimismo.

Depois, varrer as sujeiras acumuladas pela mágoa. Essas sujeirinhas têm vários nomes: rancor, maledicência, desejo de vingança.

Em seguida, com a casa mental bem limpa, é hora de perfumá-la com bons pensamentos, sorrisos, serenidade e otimismo.

Então, quando menos se espera, eis que chega a esperança. Viaja em uma carruagem dourada, espalha flores pelo caminho e se instala no Espírito fazendo festa.

É uma presença tão forte, tão bela, que transforma de imediato o ambiente em que se hospeda: impregna a alma de coragem e de alegria.

Esperança é um sol que nasce após uma longa noite escura. Chega trazendo calor e a luz dourada de um dia cheio de boas realizações. Ela aponta, firme, para um futuro radioso. Basta recebê-la.

(Equipe de Redação do Momento Espírita. www.momento.com.br)

O TEMPO

“Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz.” — Paulo (ROMANOS, 14:6)

A maioria dos homens não percebe ainda os valores infinitos do tempo.
Existem efetivamente os que abusam dessa concessão divina. Julgam que a riqueza dos benefícios lhes é devida por Deus.
Seria justo, entretanto, interrogá-los quanto ao motivo de semelhante presunção.
Constituindo a Criação Universal patrimônio comum, é razoável que todos gozem as possibilidades da vida; contudo, de modo geral, a criatura não medita na harmonia das circunstâncias que se ajustam na Terra, em favor de seu aperfeiçoamento espiritual.
É lógico que todo homem conte com o tempo, mas, se esse tempo estiver sem luz, sem equilíbrio, sem saúde, sem trabalho?
Não obstante a oportunidade da indagação, importa considerar que muito raros são aqueles que valorizam o dia, multiplicando-se em toda parte as fileiras dos que procuram aniquilá-lo de qualquer forma.
A velha expressão popular “matar o tempo” reflete a inconsciência vulgar, nesse sentido.
Nos mais obscuros recantos da Terra, há criaturas exterminando possibilidades sagradas. No entanto, um dia de paz, harmonia e iluminação, é muito importante para o concurso humano, na execução das leis divinas.
Os interesses imediatistas do mundo clamam que o “tempo é dinheiro”, para, em seguida, recomeçarem todas as obras incompletas na esteira das reencarnações... Os homens, por isso mesmo, fazem e desfazem, constroem e destroem, aprendem levianamente a recapitulam com dificuldade, na conquista da experiência.
Em quase todos os setores de evolução terrestre, vemos o abuso da oportunidade complicando os caminhos da vida; entretanto, desde muitos séculos, o apóstolo nos afirma que o tempo deve ser do Senhor.
(Francisco Cândido Xavier por Emmanuel. In: Caminho, Verdade e Vida)

CONQUISTA DA COMPAIXÃO

“Exercita-te pessoalmente na piedade”. – Paulo. (I Timóteo, 4:7).


Não se conhece nenhuma conquista que chegasse ao espírito sem apoio na prática.
*
Um grande intérprete da música não se manteria nessa definição, sem longos exercícios com base na disciplina.
Um campeão nas lides esportivas não consegue destacar-se simplesmente sonhando com vitórias.
Nos dons espirituais, os princípios que nos regem as aquisições são os mesmos.
*
Se quisermos que a piedade nos ilumine, é imperioso exercitar a compreensão. E compreensão não vem a nós sem que façamos esforço para isso.
*
Aceitemos, assim, as nossas dificuldades por ocasiões preciosas de ensino, sobretudo, no relacionamento uns com os outros.
Nesse sentido, os que nos contrariam se nos mostram como sendo os melhores instrutores.
*
Se alguém comete uma falta, reflitamos na doença mental que lhe terá ditado o comportamento.
Se um amigo nos abandona, imaginemos quanto haverá sofrido no processo de incompreensão que o levou a se afastar.
Pensa na insatisfação enfermiça dos que se fazem perseguidores ou na dor que se entregam a esse ou àquele tipo de culpa.
*
Compaixão é a porta que se nos abre no sentimento para a luz do verdadeiro amor, entretanto, notemos: ninguém adquire a piedade sem construí-la.
(Francisco Cândido Xavier por Emmanuel. In: Ceifa de Luz)

NOTAS DA ESPERANÇA

Se algum dia vieres a cair, levanta-te e anda.
Recorda que ninguém recebe um corpo na Terra para estações de repouso.
Todos nós — seja no Plano Físico ou na Vida maior — somos chamados à construção do bem. E o bem aos outros será sempre a garantia de nosso próprio bem.
Se dificuldades repontam da estrada, não te omitas. Segue adiante, reconhecendo que nos cabe a todos ofertar esforço máximo para que se realize o melhor em nós e em derredor de nós.
Não pares.
A estagnação é ponto obscuro no caminho em que, bastas vezes, os mais nobres valores da existência se corrompem.
Não existe fatalidade para o mal, porquanto, o bem geral triunfa sempre.
Os únicos vencidos no movimento criativo da vida são aqueles que descreram de Deus e de si mesmos, apagando-se, pouco a pouco, no vazio do nada a fazer; os que atravessam o tempo, perguntando o porquê das ocorrências e das cousas, sem se dar ao trabalho de conhecer-lhes a origem, a fim de aperfeiçoar-lhes resultado e proveito; os que se instalam nas torres de marfim do exclusivismo, temendo os problemas que possam surgir no relacionamento com o próximo; os que não acreditam na obrigação de trabalhar, incessantemente; e os que se observam caídos nessa ou naquela falta sem a precisa coragem de se reerguerem para começar de novo a tarefa construtiva a que se propõem.
Ainda mesmo que tudo te pareça amargura e sombra na paisagem da moradia, não esmoreças e continua agindo e servindo, porque a fidelidade ao trabalho te iluminará o coração, a fim de que não te afastes do caminho para o encontro com Deus.
(Francisco Cândido Xavier por Emmanuel. In: Algo mais)

CARIDADE ENTRE NÓS

A Doutrina espírita no amparo do Cristo de Deus é o campo de serviço, a que somos chamados para agir em Seu Nome.

Compreendemos que todos comparecemos ao engajamento, tais quais somos e como estamos: - em dívida ou em luta, carregando o fardo de nossas imperfeições e conflitos.

E, unicamente trabalhando, encontraremos o desgaste das forças que nos compete alijar de modo a servir com segurança.

Por isto mesmo, não nos esqueçamos:

Se a dificuldade aparece, sejamos o ponto que favoreça a supressão dos obstáculos, sem agravá-los;

Se a discórdia nos impele a tumulto, recorramos à paz sem menosprezo da verdade, colocando a verdade em amor, a fim de que o amor nos reúna acima de quaisquer circunstancias, procurando os objetivos que nos cabe atingir;

Se a sombra nos envolve, acendamos a luz da oração, por dentro de nós, com a certeza de que se a prece nem sempre modifica o ambiente externo de nossas realizações, sempre nos rearmonizará no íntimo da alma, induzindo-nos a ver com clareza e entendimento as questões do caminho;

Se a aprovação nos visita, usemos a paciência que o conhecimento da realidade nos infude, reconhecendo que não bastará medir o sofrimento para extinguí-lo e sim trabalhar incessantemente no auxílio aos outros, porque através dos outros, o Senhor nos estenderá o socorro necessário;

Se incompreensões nos examinam a capacidade de amar, convertamos-nos em companheiros mais dedicados ao bem daqueles irmãos que, por ventura, se nos façam instrumentos de melhoria espiritual;

Se a crítica surge à frente, busquemos anatomizá-la, a fim de assimilar-lhe as lições justas, desfazendo enganos ou refazendo tarefas, sinceramente dispostos a contribuir no sustento da harmonia geral;

Se recursos escasseiam a hora em nossas mãos, doemos um tanto mais de nós mesmos, em serviço e compreensão, no socorro às necessidades alheias, convencidos de que pelo idioma inarticulado do dever cumprido, Deus suscitará novos cooperadores e companheiros que nos reforçarão as possibilidades nas tarefas que nos reclamam presença e atividade, no dia a dia;

Se óbices, reparações, desuniões, fracassos, sofrimentos, desistências, desafios, lágrimas, deserções, conflitos e tribulações, sejam quais sejam, aparecerem juntos de nós, que a luz de nossa fé se transforme em nós no recurso preciso a fim de que os esquemas do Cristo se façam realizados por nós, com o esquecimento de nós mesmos.

Nesse caminho da caridade, devemos seguir todos, porque se fora dela não há recuperação para ninguém, fora do serviço que a expressa nenhum de nossos problemas encontrará solução.





pelo Espírito Bezerra de Menezes - médium Francisco Cândido Xavier. Da obra: Doutrina e Vida.

PACIÊNCIA E CARIDADE

Aturdem-te os comentários malsãos que são entretecidos contra a tua pessoa, ferindo-te as mais caras aspirações.
Sofres o aguilhão das dificuldades e malícias que são postas no teu caminho, atingindo as carnes da tua alma.
Padeces a incompreensão gratuita de pessoas bem formadas, que se deixam anestesiar pelos vapores da antipatia e voltam a sua animosidade contra ti, não descansando na faina de sensibilizar-te.
Experimentas angústia, quando te informas dos problemas inconseqüentes que são criados, envolvendo teu nome e tua ação em rudes colocações ou informes pejorativos.
Gostarias, talvez, de caminhar sem tropeço, desconhecendo impedimentos. Todavia, não te olvides que te encontras na Terra e este é o campo ao qual foste chamado para o serviço.
Além de auxiliar-te a desenvolver a paciência e exercitar-te a humildade correta, propicia-te o desapego aos transitórios conceitos do mundo.
Nem mesmo Jesus, impoluto e incorruptível, experimentou uma trajetória de exceção, padecendo azorragues de todo tipo e qualidade, a fim de ensinar-nos coragem e valor.
Diante das dores que te chegam oriundas das mais variadas gêneses, vive a caridade da paciência.
Caridade para com aqueles que te não compreendem e paciência ante a prova.
Desprezado e estigmatizado pela intolerância e insistência dos que preferem perseguir a servir, adestra-te na caridade da paciência.
Caridade difícil é desculpar o ofensor e tê-lo em conta de enfermo, necessitado da tua amizade e consideração. Ao mesmo tempo, é caminho iluminativo para tuas aspirações, através de paciência com perseverança no dever.
São caridade a doação de amor, a transferência de recursos e moedas para amenizar provações e dores, os socorros fraternos da sopa e do pão, todavia, a paciência em relação aos que se obstinam em dificultar-nos a marcha no bem, buscando o Pai, constitui a excelente caridade moral de que todos necessitamos, desde que, ontem por certo, tenhamos delinqüido, aprendendo, agora, a reparar, ou estejamos a equivocar-nos necessitando, por nossa vez, da doação da benevolência do nosso próximo.
A caridade da paciência é das mais expressivas virtudes que o cristão autêntico deve cultivar.
*
Jesus, esperando-nos e amando-nos sem cansaço, até hoje, oferece-nos o exemplo sublime e sem retoques da caridade pela paciência.
(Divaldo P. Franco, por Joanna de Ângelis. In: Alerta)

EXAME

Aprofundar a mente na investigação minuciosa das deficiências alheias, mesmo com o propósito aparente de ajudar, seria como derramar precioso bálsamo sobre pântano infeliz com a intenção de saneá-lo ou jogar ácido cruel sobre feridas que demoram a cicatrizar com o pretexto de eliminar o foco infeccioso...

Não convertas a tua caridade mental em sombras densas para que não tropeces em escolhos.

Podes movimentar o tesouro psíquico para reorganizar o equilíbrio sem o impositivo de ampliar a infelicidade, tornando-a conhecida.

Não transformes a visão em instrumento de observação impiedosa. Nem movimentes o verbo como quem aciona o látego cortante, desencadeando sofrimento. Exalta a oportunidade de cultivar a esperança.

Difunde a excelência do otimismo.

Distende a alegria junto àqueles que a tristeza venceu.

Louva as mensagens da fé operante ao lado do amigo que caiu fragorosamente.

Acena a todos com novas possibilidades de refazimento no bem, demonstrando ânimo sereno e robusto.

Supera a tentação de inquirir muito para compreender, desdobrando o trabalho que renova e restaura.

Descobre o lado melhor do infeliz e faze o melhor.

E se notares que tudo indica insucesso do seu empreendimento, agigantando-se o mal, apela para a Espiritualidade Superior e transforma-te em viva mensagem de amor, desdobrando a bondade de Jesus Cristo, sem aguardares de imediato o êxito que te não pertence.

Quando não puderes fazer o bem pensa nele.

A noite para não ser triste veste-se de estrelas.

O espinheiro atormentado, em silêncio, adorna-se de flores.

E com o que tiveres exalta a alegria, embelezando a vida.

Nunca reclames ante a fraqueza dos outros nem examines o erro do próximo com azedume, mesmo porque, em te voltando contra eles é necessário examinar, no recesso íntimo, quanto tens sido mal sucedido e, se em lugar desses companheiros não estarias complicando a própria aflição, fazendo o que eles realizam com dificuldade, de maneira pior e mais infeliz.





pelo Espírito Joanna de Ângelis - Do livro “Espírito e Vida”, psicografia de Divaldo P. Franco

MEDIUNIDADE ATORMENTADA

Diante das explosões de agressividade sentimental, é preciso considerar não apenas o quadro visível dos companheiros transfigurados de cólera ou desespero.

Se estudas mediunidade e percebes que ela se baseia, acima de tudo, em princípios de sintonia, pondera nas forças desequilibradas que atuam, freqüentemente, nessas ocasiões, por trás da pessoa aparentemente sadia.

Na Terra, sempre nos comovemos perante a chapa radiográfica que acusa a presença de moléstia insidiosa em determinado órgão, predispondo-nos à simpatia pelo doente, e quase nunca refletimos na gravidade do processo obsessivo, por enquanto inauscultável pela perquirição humana, a destruir as melhores possibilidades da criatura. Semelhante anomalia jaz, muitas vezes, enquistada na constituição psíquica do enfermo, alentando-lhe a ligação com as regiões inferiores e dele fazendo um agente movimentado das inteligências que operam no lado negativo da evolução.

Muito mais do que podemos supor, somos defrontados, no plano físico, pelos irmãos dominados por elementos vampirizadores, seja por um minuto, uma hora, um dia ou longo tempo.

A própria sabedoria popular já alcançou intuitivamente o problema, definindo a pessoa, transitoriamente se o controle de si mesma, como sendo alguém que terá entrado, sem perceber, num momento infeliz. Meditemos, não somente nisso, mas, de igual modo, na condição mediúnica de que todos somos portadores, nas faculdades do espírito, quando essa condição sem disciplina e esclarecimento se vê presa, de repente, num círculo magnético de aguilhões constrangedores.

Muitos crimes se cometem e muitos desastres se verificam, unicamente por falta de alguém, com bastante capacidade de entendimento, para levantar o dique do amparo fraterno, ante as arrasadoras projeções do mal.

Pensa e torno disso e ajuda, onde raros irmãos, até agora, conseguem suficiente visão íntima para a prestação de socorro que se faz necessário.

Se já compreendes o poder da hipnose sobre as criaturas que ainda não se ajustaram às leis da vida mental, ergue a muralha defensiva da bondade e da compreensão, do silêncio ou da prece, à frente dos companheiros que a ira ou a inconformação coloca em desgoverno sentimental!... Ninguém consegue calcular os estragos do incêndio, causado por mera faísca atiçada pelo descuido, tanto quanto ninguém consegue avaliar a colheita de bênçãos que fluirá de um simples gesto de auxílio, revestido de amor.






pelo Espírito Emmanuel - Psicografia de Chico Xavier - Livro – Encontro Marcado.

INSUPERÁVEL BRANDURA

Quando você for defrontado por alguém violento, que o agrida verbalmente ou o ameace fisicamente, recorde-se de que ele é muito infeliz.
Todo aquele que não recebeu amor na infância ou foi vítima de insucessos emocionais, sempre perde o endereço de si mesmo e se torna inimigo dos outros.
Conceda-lhe a graciosa dádiva da bondade que não o torna mais desventurado. Não há quem resista a um indisfarçável gesto de benevolência.
*
Surpreendido pela astúcia dos perversos, sempre hábeis na arte de infligir sofrimentos aos outros, tenha em mente que eles são também impiedosos para consigo mesmos.
A sua desorientação provém de experiências amargas, nas quais sofreram crueldades e abandono.
Proporcione-lhes o ensejo de despertar, dando-lhes compreensão.
Ninguém recusa amor, mesmo que, aparentemente reaja com aspereza, o que é falta de hábito em recebê-lo.
*
No pandemônio da revolta que grassa violenta em toda parte, anunciando desastres morais e conjunturas físicas dolorosas, reserve-se o direito de permanecer em paz.
O aturdimento que procede de alguns poucos, facilmente contamina o grupo social que se perturba. O agitador, é alguém que se sentiu desrespeitado nos seus direitos de criança e, na ocasião, não soube administrar a ira nem a frustração, agora tornadas bandeiras de comportamento doentio.
Seja amistoso para com ele, apresentando-lhe o outro lado da existência humana. O ser carente vive armado contra tudo e todos, até o momento em que se sente rociado pela presença da brandura.
*
No crepitar das labaredas das acusações e calúnias contra alguém, gerando situações asfixiantes e más, continue portador de generosidade para com a vítima.
Quem delinqüe, perde-se no labirinto de terríveis alucinações morais.
Não fustigue mais o desditoso, antes aplique temperança para com ele. O solo que arde, não pode receber mais calor, e sim, água refrescante que lhe diminua e aplaque a temperatura elevada.
Todos somos sensíveis à compreensão de alguém para conosco.
Perseguido pela inveja ou malsinado pela insensatez daquele que não gosta de você, resguarde-se na compaixão para com ele.
A insegurança que o leva a afligi-lo é resultado da família com a qual viveu e de quem somente recebeu lições de impiedade e malquerença.
Ele gostaria, por certo, de ser como você, e, na impossibilidade de que se dá conta, tenta amargurá-lo.
Ofereça-lhe o silêncio em resposta de brandura, que o alcançará inexoravelmente, alterando-lhe a atitude interior. Nada pode detê-la, e quem a recebe jamais prossegue como antes.
*
Na raiz de muitos males, que afligem e desconcertam a criatura, o desamor de que foi objeto, na atual ou em anterior reencarnação, é o responsável pelo seu transtorno.
Naturalmente, quem lhe experimenta o aguilhão impiedoso deseja libertar-se, defendendo-se e acusando, reagindo.
Não existe, porém, defesa real quando se agride nem se conquista harmonia quando se entra em debates de violência.
Nunca aceite as injunções do mal nem as arruaças dos desordeiros, simplesmente deixando de conceder-lhes consideração.
Você cresce na vertical do amor, tendo por dever levantar caídos e nunca torná-los mais vulneráveis ao mal que neles reside.
Viva com brandura e esparza-a, tornando o mundo melhor e as criaturas menos desesperadas.
Somente quem ama e se reveste de bondade pode resistir aos conflitos e desafios perturbadores da sociedade agressiva que prefere ignorar o Bem.
( Divaldo P. Franco por Marco Prisco. In: Luzes do alvorecer)

Querido Vovozinho

Todas as tardes após a escola eu , Pedrinho e nossos amigos, íamos jogar bola no campinho que ficava ao lado da casa de seu Antenor.

Seu Antenor é um homem de meia idade que sempre implicava com os vizinhos, com o calor, com as crianças, nada servia para ele.

E os meninos por sua vez, não deixavam o pobre velho em paz.

Um belo dia ao voltar para casa, Pedrinho passou em frente a casa de seu Antenor e o viu chorando abraçado a um retrato. Quando chegou em casa contou à dona Helena.

- Mamãe ao passar pela casa de seu Antenor o vi chorando junto a um retrato. Pensei que ele não chorava mais, pois ele é sempre tão ranzinza.

- Ora Pedrinho, foi o meio que ele encontrou para esconder seus verdadeiros sentimentos.

- Não entendi mamãe?

- Algumas pessoas como seu Antenor que já sofreram muito na vida, com a perda da família; esposa, seu único filho, usam agressividade para se defender. Acreditam que assim não vão sofrer mais.

- Isso é um engano, pois, acabam sofrendo mais. Ninguém vive sem amor. Você meu filho que é um menino bom, deve sempre que tiver oportunidade, ajudá-lo com muito carinho.

Seu Antenor é muito só, e o evangelho sempre nos ensina a amar e a respeitar os mais velhos.

A noite Pedrinho sonhou com seu querido vovozinho, pedindo para que ele tratasse seu Antenor como seu avô e que o amasse muito.

Pela manhã na escola contou a nós, seus amiguinhos, a conversa com sua mãe e o sonho com seu avô, então resolvemos pedir desculpas a seu Antenor e para que ele aceitasse ser o nosso avô , já que muitos de nós não tinhamos avô e outros o avô morava muito longe.

Seu Antenor ficou muito contente, e disse emocionado:

- Eu serei o melhor avô do mundo.

"Essa história nos faz lembrar quantos vizinhos idosos nós temos, e, quantos velhinhos nos asilos estão esperando apenas um abraço, um beijo, uma palavra amiga".

Nós nunca devemos desrespeitar os mais velhos pois são pessoas que já viveram muito e merecem todo nosso carinho e respeito.

(Adaptado de Revista Consciência Espírita - Fevereiro/2000)

NOSSOS DEVERES

A partir da ciência que tenhamos das Supremas Leis de Deus e da consciência que guardemos da importância em vivenciá-las, será menos difícil identificar quais são os nossos deveres no seio da vida terrena.

Se pensarmos na sociedade à qual estamos ajustados, serão deveres nossos o trato da boa convivência, o respeito às leis constituídas, a participação consciente nos labores dedicados ao progresso comum, e assim por diante.

Se frenteamos a questão da liberdade, cabe-nos admitir a chance de aplicar as benesses dessa liberdade em favor da alforria da alma, liberando-nos dos condicionamentos retrógrados como preconceitos e animosidades, além de reconhecer que os outros também devem experimentar essa mesma oportunidade, estabelecendo, então, que o limite da nossa é a liberdade do semelhante.

Se considerarmos o progresso, serão deveres nossos a identificação da importância de desenvolver não somente as coisas relativas ao homem corporal, mas, primordialmente, aquelas condizentes com o ser imortal, caminhante consciente da evolução. Cabe-nos ativar o progresso de tudo o que constitua valor para a alma perene, independentemente de onde haja surgido, uma vez que Jesus tem servidores grandiosos em todos os escaninhos da Humanidade.

Se tratarmos da adoração a Deus, cumpre-nos realizar o esforço de amadurecer concepções, rever como estão as nossas relações com o Criador, afastando-nos tanto do fanatismo, gerado pela ignorância presunçosa, quanto do pieguismo, que representa a ignorância acomodada.

Nossos deveres no mundo, diante da Divina Consciência, refletirão sempre a nossa maior disposição de aprender e servir, deverão demonstrar sempre a nossa capacidade de pensar e espalhar o bem, indicando a nossa maior integração com a harmonia das proposições do Senhor.

Procuremos pensar no dever não como uma cruz, que espezinha e pesa, mas, sim, como uma vestimenta confortável e bela, à qual vamos acrescentando rendas e luzes, na medida em que desenvolvamos maior condição de cumpri-lo sem dor, sem amargura, sem frustrações, mas com os júbilos de quem se supera e não aguarda a imposição dos sofrimentos, das pressões provacionais para executá-lo.

Nossos deveres bem atendidos representarão a nossa maioridade espiritual, que nos abre as portas ao Grande Reino pelo qual anelamos há milênios.





pelo Espírito Rosângela C. Lima - Mensagem psicografada pelo médium Raul Teixeira, em 25.02.01, na Fazenda Recreio, em Pedreira - SP.

O SIGNIFICADO REAL DO NATAL

O Natal existe para comemorar o nascimento de Jesus de Nazaré o Cristo Redentor.
Comemorar o Natal é aceitar o convite do Divino Mestre á RENOVAÇÃO INTERIOR;
é colocar em prátrica a sua proposta de libertação espiritual.
Olhar o Natal de outra forma é anular a sua grandeza - é como tirar o brilho de uma estrela ou o perfume
de uma flor.
A RENOVAÇÃO MORAL porém, não pode limitar-se ao Natal; ela deve acontecer em todos os dias e horas de nossa vida.
Esta transformação moral íntima é o presente mais precioso que temos a OFERECER ao Aniversariante.

FESTA de NATAL.
Sob este titulo, Kardec transcreve na Revista Espírita de 1863 mensagem ditada pelo Espírito São Luís.
mensagem; " É a noite em que, no mundo cristão, se festeja a Natividade do Menino Jesus.
Mas vós, meus irmãos, deveis tb alegrar-vos e festejar o nascimento da nova Doutrina Espírita."
Então o Espiritismo contava seis anos de existência.
Prossegue a psicografia: " Vê-la-eis crescer como a criança; ela virá, como ele, esclarecer os homens e lhes mostrar o caminho que devem percorrer."
A essa altura somente " O Livro dos Espíritos" e " O Livro dos Médiuns" haviam sido publicados.
"O Evangelho Segundo o Espíritismo" seria publicado no ano seguinte, " O CÉU e o Inferno" em 1865 e " A Gênese" em 1868.
A terceira parte de " O Livro dos Espíritos", que trata das Leis Morais, já dava uma idéia de como a Doutrina Espírita destina-se a tocar o âmago do ser humano, sensibilizando-o a exercitar os sentimentos de Fraternidade e Solariedade, AMOR e Caridade.
Entretanto, nessa mensagem, São Luís antecipa aquilo que a terceira obra da Codificação iria detalhar, mostrando que o Espiritismo é a REVIVESCÊNCIA do CRISTIANISMO.
Continua: " Em breve, vereis os reis, os magos, vir tb a esta Doutrina pedir o socorro que não encontram nas idéias ANTIGAS."
De fato, a mensagem contida na Doutrina Espírita destina-se aos integrantes de TODAS as classes sociais, ou seja, á humanidade inteira, sem nenhuma exceção, no curso do tempo.
São Luís prossegue: " Não vos trarão incenso e mirra, mas prostenar-se-ão de coração ante as idéias novas do Espiritismo".
Com efeito, a terceira revelação vem relembrar e ampliar os ensinamentos do Cristo, esclarecendo e consolando as mentes e os corações aflitos, fazendo LUZ para desfazer a Névoa das Dúvidas.
Continua o Espírito: "Já não vedes brilhar a estrela que os deve guiar? Coragem, pois, meus irmãos. Coragem e em breve, com o mundo inteiro, PODEREIS CELEBRAR a GRANDE FESTA da REGENERAÇÃO da HUMANIDADE."
"Mas não esqueçais, meus irmãos, que Deus vos fez fermentar o primeiro germe; que esse germe cresceu e já se tornou uma árvore capaz de dar o seu fruto. Resta-vos algo a utilizar: são os galhos que podereis transplantar. Mas...antes, vede se o TERRENO, ao qual CONFIAIS esse GERME, não OCULTA sob sua CAMADA APARENTE algum ROEDOR, que poderia DEVORAR aquilo que vos CONFIOU o MESTRE."
Fica para nossa reflexão essa exortação, e ao mesmo tempo o ALERTA, desse Espírito AMIGO e BENFEITOR, tanto em relação ao aspecto do Estudo e da DIVULGAÇÃO da ESSÊNCIA da DOUTRINA que abraçamos, quanto á sua vivência em nosso cotidiano Cristão, que equivale dizer ao nosso PROCESSO de Reforma Íntima.
FELIZ NATAL a TODOS!!

O Natal é a festa da familia cristã, estamos todos festejando o aniversário de Jesus de Nazaré que é nosso irmão, filho do nosso PAI SUPREMO.
A festa sempre tem uma comida especial tradicional, no meu caso acompanho com vinho tinto,bebo junto com meus filhos e minha nora mineira. Lembro dos familiares desencarnados todos. que nos acompanharam ao longo de suas vidas corporeas, mas... de meu avô,de meu pai, de meu irmão com quem bebia MODERADAMENTE brindo a eles, pois sei que que mesmo desencarnados participam da festa.
A sobremesa gostosa é sempre composta por doces tradicionais.Minha esposa aprendeu com minha mãe todas
as receitas de salgados e doces já centenárias acredito, e nossos filhos, noras e netos curtem com prazer toda essa cozinha tradicional. A Dri nora mineira já aprendeu assim como nossa filha, e concerteza a continuidade será garantida pelas netas e bisnetas. É linda e muito amorosa nossa festa tradicional da familia.
Os presentes fazem parte da festa e sua distribuição processo "amigo secreto" é um momento de alegria para todos.
Não podemos esquecer que o consumismo dentro de nossas posses financeiras suportáaveis, gera nesta época mais emprego, proporcionando que outras familias tenham recursos para a sua festa de Natal.
O Pai Celestial que nos AMA quer que sejamos FELIZES, usando o livre- arbitrio para o BEM, o AMOR a ELE e ao próximo como a nós mesmos.
Portanto gente vamos curtir o Natal com muito AMOR , ALEGRIA, PAZ, LUZ e MODERAÇÃO alimento e , bebida e sem DESPERDÍCIO.
FESTAS FELIZES.
Manuel

NATAL

Diante do bolo iluminado, abraças, feliz, os entes amados que chegaram de longe...

Ouves a música festiva que passa, de leve, por moldura de harmonia às telas da natureza... Entretanto, quando penetrarem o templo da oração, reverenciando o Mestre que dizes amar, mentaliza o estábulo pobre.

Ignoramos de que estrela chegando o Sublime Renovador, mas todos sabemos em que ponto da Terra começou ele o apostolado divino.

Recorda as mãos fatigadas dos tratadores de animais, os dedos calosos dos homens do campo, o carinho das mulheres simples que lhes ofertaram as primeiras gotas do próprio leite e o sorriso ingênuo dos meninos descalços que lhe recebera, do olhar a primeira nota de esperança.

Lembra-te do Senhor, renunciando aos caminhos constelados de luz para acolher-se, junto dos corações humildes que o esperavam, dentro da noite, e desce também da própria alegria, para ajudar no vale dos que padecem...

Contemplará, de alma surpresa, a fila dos que se arrastam, de olhos enceguecidos pela garoa das lágrimas. Ladeando velhinhos que tossem ao desabrigo, há doentes e mutilados que suspiram pelo lençol de refúgio na terra seca. Surgem mães infelizes que te mostram filhinhos nus e crianças desajustadas para quem o pão farto nunca chegou. Trabalhadores cansados falam de abandono e jovens subnutridos se referem ao consolo da morte...

Divide, porém, com eles o tesouro de teu conforto e de tua fé e, nos recintos de palha e sombra a que te acolhes, encontrarás o Cristo no coração, transfigurando-te a vida, ao mesmo tempo em que, nos escaninhos da própria mente, escutarás, de novo, o cântico do Natal, como que repetido na pauta dos astros:

- Glória a Deus nas alturas e boa vontade para com os homens!...






pelo Espírito Meimei - do Livro ANTOLOGIA MEDIÚNICA DO NATAL - Psicografia: Francisco Cândido Xavier - Espíritos Diversos.

DESAFIOS NA EDUCAÇÃO DO ADOLESCENTE

O propósito da adolescência é crescer.
Esses anos representam a transição entre ser criança e um jovem adulto.
É fundamental que os adolescentes tornem-se adultos que possam se respeitar, que tenham certeza sobre suas convicções e que tomem todas as iniciativas cabíveis para realizar seus próprios SONHOS, e não os nossos sonhos ou nossos desejos.
Muitos pais tentam se realizar nos filhos, esquecendo que cada espírito tem SUAS PRÓPRIAS tendências e inclinações.
Eles próprios, ou seja, NOSSOS FILHOS, devem descobrir maneiras de concretizar suas aspirações.
É importantíssimo a CONFIANÇA MUTUA, que possa respaldar um diálogo FRANCO e um vínculo VERDADEIRO com nossos filhos e o MUNDO DELES, pois assim poderemos participar de suas vidas, INTERAGIR com suas aspirações, SEM IMPOR nossas vontades, porém manifestando NOSSAS OPINIÕES, baseadas nas experiências que já tivemos, sem que isso represente qualquer TIPO de COAÇÃO.
O respeito MUTUO pressupõe um diálogo transparente, onde NÓS PAIS devemos nos transportar para o mundo deles, globalizado, acelerado, complexo, mas ao mesmo tempo cheio de atrativos e novidades.
É necessário ter uma RELAÇÃO ABERTA e AMOROSA com nossos filhos, para que eles nos contem a VERDADE no SEU DIA a DIA.
Que tipo de educação estamos dando para nossos filhos ? Será que estamos APTOS a orientar nossos filhos, num tempo TÃO DIFERENTE do que foi o nosso, um tempo onde o mundo era bem menor ( em conhecimento e tecnologia), bem menos complexo, onde a informação caminhava a passos de tartaruga, onde os conceitos eram os mesmos á décadas, e por isso as escolhas bem mais simples?

Segundo dados estatísticos referentes a pesquisa feita na Universidade do Paraná, pela psicóloga Lídia Webwer, os pais dos ADOLESCENTES de hoje estariam divididos da seguinte forma:( publicado na Revista Globo de 11 de Setembro de 2005), onde cada categoria relatada teria as seguintes características:

NEGLIGENTES:
Não têm um papel ativo nem mostram interesse pela vida do filho. Tais pais são pouco responsivos e têm poucas expectativas em relação a seus filhos; tb não apresentam REGRAS nem LIMITES.

PERMISSIVOS:
Têm um comportamento responsivo e afetuoso com seus filhos, mas não exigem nada deles, dão liberdade sem pôr limites.

AUTORITÁRIOS:
Apresentam medidas de disciplina punitiva e absolutas sem ter comunicação com seus filhos e apresentam poucas manifestações de AFETO.

PARTICIPATIVOS:
Esses PAIS reconhecem que os direitos dos pais e dos filhos SÃO RECÍPROCOS, mostram-se AFETUOSOS, RESPONSIVOS, ENVOLVIDOS e COMPROMETIDOS e apresentam limites CLAROS para o comportamento do ADOLESCENTE ( que já vem de criança), facilitando a FORMAÇÃO da identidade.

Segundo a psicóloga, cada categoria acima resulta em filhos com as seguintes características:

Filhos de NEGLIGENTES:
Os filhos têm a pior performance.
Podem apresentar ATRASO no desenvolvimento, problemas afetivos e comportamentais.
Há grande RISCO de a criança ou adolescente usar drogas e álcool, contrair doenças sexualmente transmissíveis, ter baixa AUTO-ESTIMA e depressão.

Filhos de PERMISSIVOS:
Os filhos são mais propensos a se envolver com problemas de comportamento e têm PIOR desempenho na escola.
Mas têm boa AUTO- ESTIMA, habilidades sociais e baixos níveis de depressão.
Há um ALTO RISCO de envolvimento com drogas, pois não aprenderam que existem regras e limites.

Filhos de AUTORITÁRIOS:
Os filhos tendem a apresentar desempenho moderado, mas se a COERÇÃO for FORTE podem ter ansiedade e pior desempenho escolar.
Geralmente são crianças e adolescentes quietos e passivos, mas podem mostrar HOSTILIDADE e AGRESSIVIDADE contra figuras de autoridade(PROFESSORES, por exemplo) .
Eles têm piores desempenhos em habilidades sociais, humor INSTÁVEL, baixa AUTO- ESTIMA e DEPRESSÃO.

Filhos de PARTICIPATIVOS :
Os filhos SÃO os MAIS COMPETENTES em TODOS os NÍVEIS.

Se analisarmos; veremos que somados os NEGLIGENTES e os PERMISSIVOS são 57% de adolescentes com um tipo de criação basicamente INADEQUADA, e se a esses, somarmos os AUTORITÁRIOS, teremos 67% numa faixa de educação altamente preocupante.
Que tipo de sociedade estaremos construindo para as próximas gerações, e por extensão, que mundo estaremos moldando, a continuar essa triste estatística na área da EDUCAÇÃO?
É preciso que fique bem clara a GRAVIDADE do tema, uma vez que esses filhos tenderão a criar seus filhos dentro de padrões muitas vezes SIMILARES aos que receberam, é o que diz o livro " Os adolescentes aprendem o que VIVENCIAM ", citado pelas autoras, a professora Doroty Law Nolte e a psicóloga Rachel Harris ;
Na Doutrina Espírita, vemos que o EXEMPLO fala mais alto. Nossos filhos tendem a ser muito CRÍTICOS com NOSSAS CONTRADIÇÕES, entre o que dizemos e o que fazemos, e algumas vezes chegam a achar graça da nossa insensatez; outras vezes nos cobram o porquê de tomarmos ATITUDES CONTRÁRIAS ao que PREGAMOS.
É preciso não confundir INSTRUÇÃO com EDUCAÇÃO.
A Educação abrange a Instrução, mas pode haver instrução desacompanhada de educação.
A instrução relaciona-se com o intelecto: a educação com o CARÁTER.
Instruir é ilustrar a mente com certa soma de CONHECIMENTOS.
EDUCAR é desenvolver os poderes do Espírito, não só na aquisição do saber, mas na formação e consolidação do CARÁTER.
Por tudo isso, é nosso dever educar, evangelizar e dar limites para nossos filhos. Limites são o PORTAL dos BONS RELACIONAMENTOS. Tem como objetivo nos tornar firmes e conscientes de nós mesmos, a fim de sermos capazes de nos aproximar dos OUTROS SEM SUFOCÁ-LOS, e RESPEITANDO-OS.
Nossos filhos precisam de LIBERDADE mas com MATURIDADE; e MATURIDADE pressupõe DISCIPLINA e RESPONSABILIDADE.
LIBERDADE sem RESPONSABILIDADE é IMPRUDÊNCIA, pode ser MUITO PERIGOSO, podendo mesmo ter CONSEQUÊNCIAS CATRASTRÓFICAS.

Aqueles que não têm disciplina( ordem que convém ao bom funcionamento de alguma coisa; pode ser no lar, na escola, no trabalho etc.), tem dificuldade em ACEITAR LIMITES, tendo por isso mais DIFICULDADES no CONVÍVIO tanto escolar, como no lar, ou mesmo no lazer.
Ausência de LIMITES é seguramente uma das MAZELAS da Sociedade atual, acarretando sérias dificuldades para os Professores nas escolas como atestam vários pedagogos, psicólogos e professores, o que pode gerar no futuro sérios problemas de adaptação a qualquer tipo de ATIVIDADE PROFISSIONAL.
Quando abdicamos de educar nossos filhos, estamos engrossando o contigente de pais negligentes ou permissivos, o que dificultará com certeza o futuro deles, da humanidade e do planeta, e ao mesmo tempo ROMPENDO com o COMPROMISSO ASSUMIDO na ESPIRITUALIDADE em relação á criação e á educação, que DEVEMOS lhes DAR.
Como estaremos incursos na Lei de Causa e Efeito, estaremos nos comprometendo para o futuro, quando teremos que ressarci-los, por não havermos feito o que era nosso DEVER.

Os Dez mandamentos dos Pais (Extraido do livro' Amor e vida em familia" de Geziel Andrade.)

1- Amarás teu filho com todas as forças de teu coração, mas usando SABIAMENTE a cabeça.
2- Não pensarás em teu filho como algo que te pertença, mas como uma pessoa.
3- Considerarás o respeito e o amor de teu filho, não como algo a ser exigido, mas como algo a ser CONQUISTADO.
4- Sempre que perderes a paciência com as imaturidades e os disparates de teu filho, pensa nas tolices e nos erros que praticastes na idade dele.
5- Lembra-te de que é um previlégio de teu filho fazer de ti um herói e considerar as tuas idéias corretas.
6- Lembra-te de que teu EXEMPLO é mais eloquente do que as recriminações e as tuas leis de moral.
7- Lutarás para ser para teu filho um letreiro VALIOSO na estrada da vida e não uma vala na qual ele se IMOBILIZARÁ.
8- Ensinarás a teu filho a manter-se por si mesmo e a travar as suas próprias batalhas.
9- Ensinarás a teu filho a ver a beleza em TUDO, a praticar a BONDADE, a AMAR a VERDADE e a viver em clima de AMIZADE.
10- Farás do lugar que habitas um verdadeiro LAR e um céu de FELICIDADE para ti próprio, para teus filhos, para teu cônjugue, para teus amigos e para os amigos de teus filhos.

Luz Amor e Paz.
Manuel

domingo, 30 de dezembro de 2007

Psicografia de Rita Foelker

"Vida é vida, vida espiritual, vida material... o que muda é o meio.
Vida é sempre uma sequencia de atitudes, uma sequencia que continua quando você muda de lado.
Por isso, meu filho, é que o seu momento é agora, sempre agora."(Calunga)

Psicografia de Rita Foelker

"Ah! Mas eu fui errado. Eu agi errado.
Dê graças a Deus, de poder ver as coisas que você fez, e que não deram certo.
Isso é o próprio processo de melhoria, poder escolher melhor, com mais discernimento, e nunca - eu disse nunca - existiu um Espírito que não tivesse errado. Hoje você vê que foi um erro, e já pode guardar isso para sua vida, para suas escolhas futuras.
Comece, então, escolhendo pensamentos que te colocam para cima, que te animam na luta do dia-a-dia porque, animado ou desanimado, a tua vida segue."
(Calunga)

Psicografia de Chico Xavier

"Não lhe doa a acusação indébita. Você pode realizar muitos planos valiosos, em contraposição aos acusadores gratuitos.
Não se incomode pela desconfiança descabida. Em qualquer lugar, você pode empregar a boa consciência no serviço honesto."(André Luiz)

Psicografia de Chico Xavier

"Não lhe doa a acusação indébita. Você pode realizar muitos planos valiosos, em contraposição aos acusadores gratuitos.
Não se incomode pela desconfiança descabida. Em qualquer lugar, você pode empregar a boa consciência no serviço honesto."(André Luiz)

Psicografia de Rita Foelker

"Você pode achar que ajuda é dinheiro. Que se você tivesse dinheiro, seus problemas se resolveriam.
Mas... pense bem: se você ganhasse uma bolada e pagasse todas as suas dívidas, será que amanhã ou depois, você não ia se enterrar de novo? Eu digo que sim. Sabe por quê? Seu problema não é dinheiro, isto é só um sintoma do seu problema.
O que você tem é toda uma dificuldade em entender e em lidar com valores - provavelmente não tem noção do seu próprio valor.
Você precisa de ajuda sim, mas pra ver o que é que você está fazendo errado.
Você está precisando aprender umas coisas, pra não passar mais por isso.
Experimenta pedir pra Deus te mostrar onde é que você está errando, e você vai ver se a ajuda não vem! Vai por mim!
E se demorar, é porque Deus está dando a chance de você mesmo perceber o seu valor."(Calunga)

Psicografia de Chico Xavier

"Seja comunicativo. Sorria à criança. Cumprimente o velhinho. Converse com o doente.
Liberte o próprio coração, destruindo barreiras de conhecimento e fé, título e tradição, vestimenta e classe social, existentes entre você e as criaturas, e a felicidade que você fizer para os outros será luz da felicidade sempre maior brilhando em você."(André Luiz)

Psicografia de Waldo Vieira

"Aquilo que os outros pensam é idéias deles. Não podemos usufruir-lhes a cabeça para imprimir-lhes as interpretações que são capazes diante da vida. Um indígena e um físico contemplam a luz, mantendo conceitos absolutamente antagônicos entre si.
Acontece o mesmo na vida moral. Precisamos nutrir o cérebro de pensamentos limpos, mas não está em nosso poder exigir que os semelhantes pensem como nós."(André Luiz)

Psicografia de Rita Foelker

"Será que não é esse orgulho que te faz querer ser tão diferente? Não será este orgulho que não te deixa se ver como você é? Essa pessoa que você perdeu aí dentro de si, e fica colocando uma outra no lugar?
Pense bem, viu, meus filhos. Não vale o preço que você vai pagar, nem na sociedade humana, nem pra si mesma. Você não precisa ser uma fantasia da sua cabeça, porque nenhuma fantasia sua, jamais, pode ser melhor do que aquilo que Deus fez."(Calunga)

Psicografia de Chico Xavier

"Comande a embarcação de seu destino e não atribua a outrem os erros que a suas mãos venham a cometer.
De você mesmo depende sua viagem.
Lembremo-nos, pois, de que Deus nos criou para acrescentar-lhe a grandeza.
Não lhe diminuamos o esplendor, cultivando a treva..."(André Luiz)

Psicografia de Chico Xavier

"Todos podemos dar algo em favor do próximo; no entanto, muitos possuem em abundância e nada oferecem a ninguém...
A caridade mais oculta aos homens é, no entanto, a mais conhecida por Deus..."(André Luiz)

Psicografia de Chico Xavier

"Escuta no íntimo, em cada lance das próprias atividades, a austera palavra do Condutor Divino, convocando-te à coerência entre o ideal e o esforço, entre a promessa e a realização.
Analisa o que fazes.
Observa o que dizes.
Medita em torno de tuas aspirações mais ocultas.
Que resposta forneces à indagação do Senhor?
Quem segue o Cristo, vive-lhe o apostolado.
Serve, coopera e caminha avante, sem temor ou vacilação, lembrando-te de que o Verbo da Verdade incide sobre nós, cada dia, perguntando incessantemente:
- Que buscais?"
(Emmanuel)

Psicogriafia de Chico Xavier

"Seja onde for, não afirme: - Detesto esse lugar!
Cada criatura vive na terra dos seus credores.
Ouvindo a frase infeliz, não grite: - É um desaforo!
Invigilância alheia pede a nossa vigilância maior."(André Luiz)

Psicografia de C€hico Xavier

Bilhete de Natal
Meu amigo, não te esqueças,
Pelo Natal de Jesus,
De cultivar na lembrança
A paz, a verdade e a luz.


Não olvides a oração
Cheia de fé e de amor,
Por quem passa, sobre a Terra,
Encarcerado na dor.

Vai buscar o pobrezinho
E o triste que nada tem...
O infeliz que passa ao longe
Sem o afeto de ninguém.

Consola as mães sofredoras
E alegra o órfão que vai
Pelas estradas do mundo
Sem os carinhos de um pai.

Mas escuta: Não te esqueças,
Na doce revelação,
Que Jesus deve nascer
No altar do teu coração.

sábado, 29 de dezembro de 2007

Psicografia de Chico Xavier

"Amado Jesus
na excelsa manjedoura
que te esconde a gloria sublime,
ouve a nossa ora�o !
Ajuda-nos a procurar a simplicidade
que nos reune ao teu amor...
Auxilia-nos a renascer dentro de n�s mesmos,
buscando em Ti a for�a para sermos
em Teu Nome, irm�os uns dos outros !
Mestre do Eterno Bem, sustenta as nossas almas
a fim de que a alegria de servir e ajudar
nos ilumine a senda, n�o somente na luz de teu Santo Natal,
mas em todos os dias, aqui, agora e sempre..."
(Aparecida)

Psicografia de Chico Xavier

"Como aprendizes do Evangelho, portanto, cumpre-nos indagar � pr�pria consci�ncia:
- Que tenho executado na vida como aplica�o das b�n�os de Deus?
N�o nos esque�amos, segundo a li�o do Senhor, que somente as boas obras que fizermos, em nome do Pai, � que ser�o marcos indel�veis no nosso caminho, a testificarem de n�s."(Emmanuel) Onde se semeia amor cresce alegria.....

Perante o Natal

Neste dia feliz, em que as aglomerações nos shoppings nos revelam a febre de compras, vamos refletir juntos sobre o significado do Natal?

Natal – todos sabem - é Jesus que nasce, renovando Seu antigo apelo ao amor por todos os seres.

O desafio é fazer com que durante o ano inteiro Ele cresça e Se instale, definitivamente, em nosso coração.

Por isso, em honra do Mestre de Nazaré, não se detenha mais: siga-Lhe os ensinamentos, ouça-Lhe as palavras não apenas com os ouvidos, mas também com a alma.

Ponha Jesus em seu cotidiano.

Observe que, enquanto o Mundo nos convida a acumular bens, Jesus nos oferece a opção da simplicidade.

Ele, que é o único Espírito perfeito nascido na Terra, viveu de forma despojada e não tinha sequer uma pedra para repousar a cabeça.

Sabemos que nem todos podem viver como Jesus e abrir mão dos bens terrenos.

Mas podemos seguir o exemplo do Cristo sendo humildes, não alimentando cobiça e ambição. Isso já faria uma grande diferença.

O segredo é contentar-se com o que se tem. Observe que isso não significa acomodação ou preguiça. Nada disso.

Devemos trabalhar e adquirir o que for necessário para vivermos bem. O conselho de Jesus é para evitarmos os excessos, o supérfluo.

Você já notou que, muitas vezes, sofremos porque desejamos coisas que não são essenciais?

Basta que seja lançado um novo aparelho, modelo de carro ou produto da moda para que boa parte de nós corra a comprar.

Logo que saciamos esse desejo, agimos como crianças e vamos em busca de mais novidades.

Isso nos remete a um outro ensinamento de Jesus: “Olhai os lírios dos campos: não tecem nem fiam, mas nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles”.

Ensinou o Mestre que devemos confiar em Deus, nosso Pai, pois se Ele veste tão ricamente uma erva do campo, quanto mais fará por nós, Seus filhos?

E assim o Cristo nos ensinou a ter confiança em Deus.

No entanto, como nossa fé é frágil! Costumeiramente nos rebelamos contra Deus. Basta uma contrariedade ou uma perda para nos rebelarmos contra os Céus.

Mais uma vez agimos como crianças: desejamos que Deus – a Majestade que criou e dirige os Mundos – seja uma espécie de secretário particular, que cuide de nossas finanças, que nos faça ter sucesso na vida, que nos dê isso e aquilo.

Mas o que Jesus nos ensinou sobre Deus? Ensinou que nenhum cabelo cai de nossas cabeças sem o conhecimento de Deus.

Portanto, nosso Pai Divino conhece nossos corações e nossas necessidades.

Assim, podemos e devemos orar para Lhe pedir forças e inspiração para os nossos projetos de vida.

Mas o trabalho é nosso: façamos a nossa parte e o céu nos ajudará. Esse é mais um ensinamento esquecido de Jesus.

* * *

Que este Natal seja um momento especial, em que Jesus esteja presente em seu coração.

Que as palavras pronunciadas por Ele, há dois mil anos, possam encontrar lugar em seu Espírito.

Com a simplicidade, o trabalho e a confiança em Deus – essência dos ensinos de Jesus – que o Natal ganhe um novo significado em sua vida.

Para que brilhe a Sua luz. Para que você seja aquele que semeia a paz, que vivencia o amor universal.



Redação do Momento Espírita

'Câmara aprova Dia Nacional do Espiritismo'

Aconteceu - 10/12/2007 17h36

Câmara aprova Dia Nacional do Espiritismo

A Câmara aprovou, na última quinta-feira (6), em caráter conclusivo, o Projeto de Lei 291/07, da deputada Gorete Pereira (PR-CE), que institui 18 de abril como o Dia Nacional do Espiritismo. A proposta foi aprovada com parecer favorável relator do texto na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, deputado Wladimir Costa (PMDB-PA).

A autora do projeto lembra que o Brasil é a maior nação espírita da atualidade e que os praticantes brasileiros têm realizado 'obras extraordinárias no campo da assistência social', como define a doutrina espírita. Gorete Pereira também destaca a figura do médium Chico Xavier, segundo ela fundamental para a difusão do espiritismo no Brasil.

A data escolhida é uma homenagem ao dia em que Allan Kardec lançou, em 1857, na França, o Livro dos Espíritos, marco inicial da doutrina espírita. 'A instituição do Dia Nacional do Espiritismo é homenagem justa a um dos mais importantes grupos religiosos do país, cuja atuação tem sido indispensável para a construção de uma sociedade mais justa e fraterna entre nós', argumenta Gorete Pereira.

Tramitação
O projeto será enviado para votação no Senado.

Íntegra da proposta:
- PL-291/2007

Notícias anteriores:
Comissão rejeita idéia de lei sobre diversidade religiosa
Sessão solene lembra 150 anos do Lívro dos Espíritos

Reportagem - Roberto Seabra
Edição - Regina Céli Assumpção



(Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara')

Agência Câmara
Tel. (61) 3216.1851/3216.1852
Fax. (61) 3216.1856
E-mail:agencia@camara.gov.br

PROJECTOS INACABADOS

Faz parte da natureza humana sonhar e idealizar as mais variadas realizações.
Um hábito muito comum é a lista que se faz no início de cada ano, as famosas "proposições de ano novo".
Costuma-se relacionar hábitos nocivos a serem abandonados, cursos a serem iniciados e virtudes a serem adquiridas...
Propostas razoáveis e, na maioria das vezes, necessárias ao desenvolvimento daquele ser que as relacionou.
No entanto, comumente, antes mesmo da primeira semana do ano acabar, a lista é abandonada em alguma gaveta, juntamente com a disposição sincera de mudança que a havia inspirado.
E lá se vão para o esquecimento, mais uma vez, as mudanças prometidas para si mesmo.
Quem se espera enganar?
Afinal, a proposição de reforma íntima atinge primeiramente ao próprio interessado.
Propostas como essas abandonadas lembram projetos que se iniciam e não se realizam.
São barcos que jamais alcançam o mar.
Textos sem ponto final.
Obras que não saem da prancheta de desenho.
Músicas jamais executadas.
Flores que não desabrocharam.
Filhos que não nasceram.
Amores inconfessados.
Desenhos que nunca tocaram um papel.
Promessas não cumpridas.
Sonhos abandonados.

Os dias passam rápidos.
As folhas brotam, crescem e mais adiante caem das árvores, enquanto as pessoas passam seus dias adiando partidas, retardando começos e cancelando mudanças.
E o que poderia acontecer de modo voluntário, acaba se tornando obrigatório.
A vida, um dia, há de nos cobrar pelas realizações que nos caberiam e que não levamos a termo.
Que realizações serão essas?
Grandes feitos?
Conquistas retumbantes?
Não.
Por certo, as mais significativas missões que nos foram confiadas têm o objetivo de domar nossas próprias imperfeições.
"Ah! Mas é tão difícil vencer hábitos antigos!" - poderíamos argumentar.
No entanto, mais difícil ainda será conviver para sempre com costumes infelizes que amargam a nossa existência e a daqueles que nos cercam.
Projetos inacabados, por certo, temos vários.
Qual deles retomar e concluir de uma vez por todas?
Cada um de nós deverá saber qual é o mais urgente e mais viável, por ora.
Trata-se de uma decisão intransferível e inadiável.
É chegada a hora de realizar e de transformar.
É hora de abandonar as desculpas que nos serviram de muletas por tantos séculos, retardando-nos, no mesmo compasso de atraso e de teimosia vã.

Pense nisso!

Que o dia de hoje seja uma marca significativa na linha do tempo de nossas existências.
Pouco importa que dia da semana seja.
Não interessa em que mês do ano estejamos.
Não há porque esperar por outra oportunidade.
Chances são como brisas que surgem rapidamente e se vão de igual forma.
Não há motivo real e justo para permanecer estacionados enquanto a vida nos chama a realizar o bem.
Coragem e disposição hão de ser a inspiração que nos faltava.
Não amanhã, mas sim, hoje.
Não depois, mas sim, a partir de agora.
Pense nisso.
(Texto da Equipe de Redação do Momento Espírita. - www.momento.org.br)

ANO NOVO

Serão novos os anos que passam, os séculos e os milênios que se sucedem na ampulheta do tempo?

Não são. O tempo, qual o concebemos, não passa de uma ilusão. Não há tempos novos, nem tempos velhos. O tempo é sempre o mesmo, porque o tempo é a eternidade. Todas as mudanças que constatamos em nós e em torno de nós, são produto da transformação da matéria. Esta, realmente, passa por constantes modificações. A mutabilidade é inerente à matéria e não ao tempo.

A matéria é volúvel como as ondas e instável como as nuvens que se movimentam no espaço assumindo variadas conformações que se sucedem numa instabilidade constante.

O nosso envelhecimento não é obra do tempo como costumamos dizer. É a matéria que se vai transformando desde que entramos no cenário terreno. Nascemos, crescemos, atingimos as cumeadas do desenvolvimento compatível com a natureza do nosso corpo. Após esse ciclo, as mudanças tornam-se menos rápidas.Há como que ligeiro repouso. Depois, segue-se a involução, isto é, o curso descendente que nos leva à velhice, à decrepitude e à morte, quando esta não intervém acidentalmente, pelas moléstias, cortando o fio da existência em qualquer de suas fases.

Todos esses acontecimentos nada têm que ver com o tempo. Trata-se de manifestações da evolução da matéria organizada, vitalizada e acionada pela influência do Espírito.

O Espírito é tudo. Por ele, e para ele, é que as moléculas se agrupam, se associam, tomando forma, neste ou naquele meio, na Terra ou em outras infinitas moradas da casa do Pai, que é o Universo.

Na eternidade e na imensidade incomensurável do espaço, o Espírito se agita procurando realizar o senso da Vida, que é a evolução. Para consumá-la percorre as incontáveis terras do céu. Veste e despe centenares de indumentos, assumindo milhares de formas e aspectos.

A matéria é o instrumento, é o meio através do qual ele consegue a sua ascensão ininterrupta.

Nada significam, portanto, os anos que passam e os anos que despontam nos calendários humanos. O importante na vida do Espírito são as arrancadas para a frente, são as etapas vencidas, o saber adquirido através da experiência, e as virtudes conquistadas pela dor e pelo amor. O que denominamos – passado – é apenas a lembrança de condições inferiores por onde já transitamos. De outra sorte – o futuro não é mais que a esperança que nutrimos de alcançar um estado melhor. O presente eterno eis a realidade.

Encaremos assim o tempo e, particularmente, o ano novo que ora se inicia. Façamos o propósito de alcançar no seu transcurso a maior soma possível de aperfeiçoamento.

É o que, de coração, desejamos aos nossos leitores.

(Vinícius. In: Na Seara do Mestre)

NAS ORAÇÕES DE NATAL

Rememorando o Natal, lembramo-nos de que Jesus é o Suprimento Divino à
Necessidade Humana.
Para o Sofrimento, é o Consolo;
Para a Aflição, é a Esperança;
Para a Tristeza, é o Bom Ânimo;
Para o Desespero, é a Fé Viva;
Para o Desequilíbrio, é o Reajuste;
Para o Orgulho, é a Humildade;
Para a Violência, é a Tolerância;
Para a Vaidade, é a Singeleza;
Para a Ofensa, é a Compreensão;
Para a discórdia, é a Paz;
Para o egoísmo, é a Renúncia;
Para a ambição, é o Sacrifício;
Para a Ignorância, é o Esclarecimento;
Para a Inconformação, é a Serenidade;
Para a Dor, é a Paciência;
Para a Angústia, é o Bálsamo;
Para a Ilusão, é a Verdade;
Para a Morte, é a Ressurreição.
Se nos propomos, assim, aceitar o Cristo por Mestre e Senhor de nossos caminhos, é imprescindível recordar que o seu Apostolado não veio para os sãos e, sim, para os antigos doentes da Terra, entre os quais nos alistamos...
Buscando, pois, acompanhá-lo e servi-lo, façamos de nosso coração uma luz que possa inflamar-se ao toque de seu infinito amor, cada dia, a fim de que nossa tarefa ilumine com Ele a milenária estrada de nossas experiências, expulsando as sombras de nossos velhos enganos e despertando-nos o espírito para a glória imperecível da Vida Eterna.

(Francisco C. Xavier - Autores Diversos. In: Os Dois Maiores Amores) (Site FEAL)

COM JESUS

A renúncia será um privilégio para você.
O sofrimento glorificará sua vida.
A prova dilatará seus poderes.
O trabalho constituirá título de confiança em seu caminho.
O sacrifício sublimará seus impulsos.
A enfermidade do corpo será remédio salutar para a sua alma.
A calúnia lhe honrará a tarefa.
A perseguição será motivo para que você abençoe a muitos.
A angústia purificará suas esperanças.
O mal convocará seu espírito à prática do bem.
O ódio desafiar-lhe-á o coração aos testemunhos de amor.
A Terra, com os seus contrastes e renovações incessantes, representará bendita escola de aprimoramento individual, em cujas lições purificadoras deixará você o egoísmo para sempre esmagado.

(Francisco Cândido Xavier por André Luiz. In: Agenda Cristã)

FRATERNIDADE

Mãos que se alongam para auxiliar outras mãos que fraquejam.
Sentimentos que se engrandecem para apoiar emoções que necessitam de amparo.
Esforços que se conjugam a fim de amenizar amarguras.
Vibrações de amor que vencem distâncias, objetivando mudar paisagens tristes
das mentes e dos corações.
Espíritos valorosos que se dirigem às furnas da aflição, encorajados pelo desejo
de amar aos que desfaleceram nas lutas.
Preces que se evolam da pira do puro amor, buscando os ouvidos divinos em favor dos que choram, eis a ação da fraternidade vestindo de esperanças os painéis torpes do mundo ou emoldurando de belezas as construções edificantes dos ideais libertadores da Humanidade.
Fraternidade, vibração do Cristo unindo os homens como verdadeiros irmãos,
louvada sejas!
(Divaldo P. Franco por Eros. In: Heranças de Amor)

PONTOS VULNERÁVEIS

Nas tuas fraquezas estão os pontos vulneráveis, que deves revestir de forças.
Os pontos vulneráveis representam a resistência de toda maquinaria, a segurança de cada indivíduo.
Inevitavelmente, as tentações se te acercam, ferindo-te a vulnerabilidade no fulcro das tuas deficiências.
Se te agradam as sensações mais fortes, sempre as defrontarás, atraentes, envolvendo-te e atormentando-te.
Se te espicaçam o interesse, a ganância e a cobiça, respirarás no clima dos onzenários.
Se te interessam a maledicência e a impiedade, sempre descobrirás imperfeições e deslizes alheios que aos outros passam despercebidos.
Se preferes a ociosidade e o comodismo, encontrarás justificativas para a preguiça e o repouso exagerado.
Se te afeiçoas à enfermidade, anotarás distúrbios e deficiências orgânicas, onde os outros defrontam recursos para exercitar o equilíbrio e a disciplina.
*
Cada Espírito é colocado onde lhe cumpre progredir, vinculado aos recursos de que necessita para superar-se e reparar os compromissos infelizes do passado.
A reencarnação traz o aprendiz de volta à experiência malograda, a fim de que se lhe fixem os valores positivos que deve investir na mudança do quadro de provações que lhe dizem respeito.
Tendências e aptidões, boas ou más, ressumam do pretérito espiritual, a fim de serem aprimoradas, tornando-se valiosas conquistas que impulsionam ao progresso e à paz.
*
A tua segurança interior depende da tua inclinação e preferência, cabendo-te a tarefa de renovar as forças e vigiar as fraquezas que se transformam, com o tempo, em equilíbrio e vigor.
No que delinqüiste, trazes a “marca” íntima.
Conforme te comprometeste, renasces, com a “matriz” de registro.
De acordo com o erro, volves aos sítios familiares onde deves repará-lo.
Assim também ocorre em relação às ações enobrecidas. Elas te induzem ao crescimento espiritual com superação das próprias forças, na grande arrancada do espírito.
*
Não te permitas concessões desconcertantes, nem prazeres que anestesiam a razão e perturbam o sentimento.
Enfrenta as fraquezas; conscientiza-te dos teus pontos vulneráveis e constatarás quão fácil te será vencer as tentações e superar as más inclinações que te atormentam.
(Divaldo P. Franco por Joanna de Ângelis. In: Alerta)

CRISTO NASCEU? QUANDO? ONDE?

25 de dezembro é o dia em que se comemora o nascimento de Jesus Cristo.
Se perguntássemos quando e onde Jesus nasceu, a grande maioria dos cristãos responderia prontamente que ele nasceu há cerca de dois mil anos, em Belém.
Mas, em verdade, que importa o tempo, se existem inúmeras almas em cujo seio Jesus o Cristo ainda não reina?
Muitos corações ainda são semelhantes às hospedarias de Belém, cujas portas estão fechadas, sob alegação de estarem lotadas.
O Mestre da humanidade somente teve como berço uma estrebaria pobre, junto aos animais, e a companhia afetuosa dos pais humildes.

Ainda hoje, quando o Cristo bate às portas de nossos corações, encontra muitos deles lotados pelos interesses pessoais, pelo egoísmo, pelo orgulho, e pelo desejo de conquistas materiais, não sobrando espaço para ele.

Se perguntarmos com sinceridade, se o Cristo nasceu em nós, talvez percebêssemos que não temos permitido esse nascimento.
Aquele que ainda não sentiu em seu íntimo a influência do Cristo, ignora, em verdade, que ele nasceu.

No dia, que dizemos especial para a humanidade, vale a pena que façamos algumas perguntas a nós mesmos e as respondamos intimamente.

Cristo nasceu? Quando? Onde?

Que influência está exercendo em nós o nascimento dele?

Que relação existe entre o natal de Jesus e a nossa vida no momento atual?

Será que já conseguimos entender e vivenciar a boa nova que ele veio trazer?

Se perguntássemos a Paulo, apóstolo, onde e quando Jesus nasceu, talvez ele nos dissesse que foi na estrada de Damasco, quando se viu envolvido na sua divina luz.
Depois de muitas lutas íntimas, Paulo disse: "já não sou eu quem vive, é o Cristo que vive em mim".

Se fizéssemos a mesma pergunta a Madalena, é possível que ela nos informasse que o Cristo nasceu em Betânia, certa vez em que sua voz cheia de pureza e doçura, despertou-lhe a sensação de uma nova vida, com a qual até então jamais sonhara.

Pedro talvez se pronunciasse dizendo que Cristo nasceu no átrio do paço de Pilatos, no momento em que o galo cantou pela terceira vez, ACORDANDO A SUA CONSCIÊNCIA PARA A VERDADEIRA VIDA.

Dos lábios de João, evangelista, pode ser que ouvíssemos a afirmativa de que Jesus nasceu no dia em que lhe iluminou o entendimento fazendo-o saber que Deus é amor.

Para Zaqueu, o publicano, talvez Jesus tenha nascido numa esplêndida manhã de sol, quando ele, ansioso por conhecê-lo, subiu numa árvore, à beira do caminho por onde o Cristo passava e o mestre lhe disse que gostaria de fazer-lhe uma visita.

Dimas, o chamado bom ladrão, nos diria que Jesus nasceu no topo do calvário, precisamente quando a cegueira e a maldade humanas supunham aniquilá-lo para sempre.
Naquele momento, o Cristo lhe dirigiu um olhar repassado de piedade e ternura, e o fez esquecer todas as misérias deste mundo, nascendo para sempre em sua intimidade.
***
"Tal foi o testemunho do passado - tal é o testemunho do presente, DADO POR TODOS OS CORAÇÕES QUE, DEIXANDO DE SER QUAIS HOSPEDARIAS DE BELÉM, onde não havia lugar para o nascimento de JESUS, se transformaram pela humildade,
naquela manjedora, que o AMOR Sublime da mais pura e Santa de todas as MÃES converteu no berço do Redentor do Mundo ".

(Equipe de Redação do Momento Espírita, com base no livro Em Torno do Mestre, caps. Jesus e seu Natal e Cristo nasceu? Quando? Onde?, Ed. FEB. - www.momento.org.br)

EU VI JESUS

Eu vi Jesus semana passada. Ele usava calça jeans e uma velha camisa. Ele estava no escritório, estava sozinho e trabalhando duro. Por apenas um instante ele me olhou como um de meus colegas. Mas era Jesus, eu pude notar pelo seu sorriso.

Eu vi Jesus domingo passado. Ele ensinava para uma turma na evangelização. Ele não falava alto e nem usava longas palavras, mas você podia ver como Ele acreditava no que dizia. Por apenas um instante, ele se pareceu com meu evangelizador. Mas era Jesus, eu pude notar por sua voz amorosa.

Eu vi Jesus ontem. Estava no hospital visitando um amigo que estava doente. Oravam juntos, calmamente. Por apenas um instante ele se pareceu com um pastor. Mas era Jesus, eu pude notar pelas lágrimas em seus olhos.

Eu vi Jesus outro dia, Ele me trazia um prato cheio porque eu estava doente. Por apenas um instante, eu pensei que era Ele, com suas suaves mãos afagando meu ombro. Pensei que era Ele, mas parecia-se com minha doce vizinha. Mas era Jesus, eu sei porque eu pude senti-lo em minha alma.

Eu vi Jesus hoje de manhã. Estava em minha cozinha fazendo meu desjejum e me preparando um almoço especial. Por apenas um instante ele se pareceu com minha mãe. Mas era Jesus, eu pude sentir o amor do seu coração.

Eu vejo Jesus em toda parte, levando alimento ao doente, recebendo as pessoas em seu lar, sendo amigável ao recém-chegado... E apenas por instante eu acho que Ele se parece com alguém que eu conheço. Mas é sempre Jesus, eu posso perceber pelo jeito como Ele serve.

Tomara que algém possa ver JESUS em MIM, hoje!!

(Tradução de SergioBarros de texto com autoria desconhecida)

Feliz 2008


"Valem as flores, a prece, a confraternização, a troca de presentes, a reflexão, o perdão, o abraço,

a reconciliação, a renovação da fé, a lembrança dos ausentes..."

Natal, oportunidade de reunir a família.

SÓ NÃO VALE ESQUECER O ANIVERSARIANTE E DE PRATICAR O QUE ELE RECOMENDOU.

(texto transcrito da Revista Internacional do Espiritismo RIE, edição Dez. 06)

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Aos amigos


Amigos e leitores
Que as minhas palavras possam levar até ao seu coração muita paz e alegria e harmonia.
Se o seu dia de hoje foi de alegria e de felicidade, não se esqueça de agradecer a Deus.
Por outro lado se em seu dia teve momentos dificeis ou está sendo dificil, não desista nem perca jamais a esperança, Deus sempre ajuda, por isso tenhamos coragem e fé, amanhã com toda a certeza será melhor.
Coragem e fé.
Muita paz a todos.

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

Designios de Deus


Se parassemos um pouco, facilmente conseguiremos observar os desígnios de Deus e o quanto maravilhosa é a sua obra, seja na simplicidade e pacatez do campo, seja no grande bulicio da cidade.
Importante é mantermo-nos despertos para a ajuda a quantos de nós necessitam, esforçando-nos dia após dia por nos dedicarmos ao amor ao próximo, amando a todo aquele que sofre ainda que seja em silêncio, ajudando na medida das nossas possibilidades com a certeza de que nossa recompensa será grande, pois nosso Bom Pai jamais se esquece de nós.
Mesmo em nossos momentos mais dificeis, nunca percamos a fé e a coragem, pois jamais estaremos deitados ao abandono, assim estejamos nós prepardos para receber em nosso coração a Deus.
Amigos leitores e companheiros de caminhada, independente da religião que professem e que tantas vezes são sinónimo de separação aqui na Terra, deixem reinar em vosso coração nosso bom Deus e tenham a certeza que o amor reinará em nossos corações para todo o sempre.
Jamais desanimem vivam com fé e coragem e seremos felizes.
tenham um bom dia
Pedro Gonçalves

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Feliz Natal

A todos os amigos e amigas, na impossibilidade de o fazer pessoalmente, venho desta forma desejar um Natal cheio de amor, paz, alegria e muita alegria.
Lembrem-se sempre do significado real do verdadeiro Natal e que este não seja simplesmente mais um dia, mas sim um dia muito especial que se repita por todos os dias de 2008.
Que os sentimentos que pairam no ar nesta época, se repitam por todos os dias por todo o sempre.
A todos vocês muita paz, alegria, amor e harmonia.
Um abraço de muita paz a todos vocês com votos de feliz 2008
Pedro Gonçalves

Boas Festas

Queridos amigos e amigas
Nesta época em especial, gostaria de deixar a todos vocês uma palavra sincera de tudo quanto sinto em relação à época natalícia que vivemos.
Esta é uma época que nos toca em particular, que mexe interiormente connosco mesmos e nos desperta para palavras de fraternidade, de amor, de solidariedade e de caridade.
Assistimos nesta época a toda uma onda de solidariedade, mobilizando verdadeiras multidões, às quais se associam a comunicação social e outras entidades de nome na praça.
Pena é que dure tão, somente alguns dias e não seja por todo o ano, pena é que volvido o mês de Dezembro, nos esqueçamos do verdadeiro significado do Natal e de continuarmos a ajudar a todos quantos de nós necessitam.
Assistimos com algum pesar que a partir de Janeiro todos se esquecem do Natal, grande parte se esquece das famílias carenciadas, dos idosos abandonados e encostados nos seus lares tantas vezes sem condições mínimas de sobrevivência, dos sem abrigo que pernoitam pelas ruas de nossas cidades entre muitos outros e até de todos que necessitam tão simplesmente que os oiçamos e que lhes doemos algum do nosso tempo.
Sim porque caridade, não é só dar do que nos sobra, mas simplesmente fazermos aquilo que é simples e que por vezes nos custa tanto a fazer, que é dar um conforto, um carinho, uma palavra amiga e um simples sorriso.
Mas infelizmente durante onze meses por ano andamos demasiadamente atarefados que inclusive nos esquecemos destes gestos simples que tanta felicidade dão por vezes a quem nos rodeia.
Esta é a caridade mais simples e mais fácil de realizar, mas no entanto nãonos trás relevo nem destaque perante os outros, pelo que nos custa por vezes tanto a colocá-la em pratica.
Esforcemo-nos no entanto por tentarmos fazer o nosso melhor dia após dia, transformando o Natal numa época para todo o ano e não para uma data pré-estabelecida.
Amigos, independente do credo que cada um dos que lê esta mensagem professe, lembremo-nos que todos somos filhos de um mesmo Pai, ainda que o possamos ver de forma diferente e por mais difícil que possa parecer todos somos irmãos, pelo que formamos uma família global e não tão limitada como pensamos que seja, assim façamos de cada dia que passa um verdadeiro dia de Natal e de verdadeira solidariedade para com todos.
Não queiramos semear discórdias nem divisões, se por algum motivo nos apercebermos que somos motivo de discórdia, afastemo-nos e deixemos lugar para outros, iniciemos novos projectos, sempre com o objectivo comum, da verdadeira humildade, fraternidade e caridade para com todos.
Deia-mos o melhor de nós mesmo a cada dia e teremos a certeza de que estaremos sempre festejando o significado do Natal.
Amigos esta é a mensagem e os desejos que em minha humildade me permito desejar para todos vocês, desejando a cada um e seus familiares o melhor de todos os Natais.
Um abraço desde Portugal, deste humilde aprendiz e votos de muita paz, luz, amor e alegria para todos.
Pedro Gonçalves

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Amor

O amor é de essência divina, porque procede de Deus e vitaliza o universo, sustentando a vida em todos os seus aspectos.
Em tudo se encontra pulsante, como manifestação do Divino Psiquismo.
Em todos os reinos é de fundamental significação, especialmente no ser humano, sem o qual a existência se torna destituída de sentido psicológico e deperece, desarticulando os objetivos essenciais da Vida.
Amor é desafio que todos devem enfrentar com alegria, pois que, somente ele equaciona as dificuldades existenciais, ampliando os objetivos da inteligência e dos sentimentos.
Quem ama, conduz Deus no imo, irradiando-O em forma de bênçãos que a tudo transforma e dignifica.
(Divaldo P. Franco por Joanna de Ângelis. In: Amor)

O ESTRANHO CANSAÇO

Quando você estiver pensando:

nas hostilidades do mundo...
nas aflições capazes de surgir...
nos erros das pessoas queridas...
na desorientação de algum parente...
nos críticos que lhe observam a estrada...
na angústia que lhe ensombra o coração...
no desprezo de que se crê vítima...
nas ingratidões que supõe haver sofrido...
na deserção de algum ente amado...
nos seus próprios desejos desatendidos...

Não se admita em doença grave, nem julgue que você esteja querendo socorrer o mundo ou melhorá-lo.
Com semelhantes problemas você apenas demonstra que se cansou de estar unicamente em si mesmo, na concha do "eu", em que se isola.
Quando isso estiver acontecendo consigo, você tão-somente sofre de cansaço emocional e, para curar-se, basta uma indicação:
- Busque esquecer-se, fuja de si mesmo, reflita nos problemas dos companheiros em dificuldades maiores do que as nossas e procuremos trabalhar.
(Francisco Cândido Xavier por André Luiz. In: Respostas da Vida)

Aprendizado de Amor

Dá do que tens e do que és, a benefício dos outros.
Se os outros não te compreendem, auxilia-os, mesmo assim.
Se te perseguem ou caluniam, continua fazendo o melhor em beneficio deles.
Se te repelem, prossegue no esforço de ampará-los como puderes.
É assim que o amor começa e onde o amor se faz presente aí está Deus.
E onde Deus está nada falta, para que sejas feliz.

(Francisco Cândido Xavier por Emmanuel. In: Seara de Fé)

PRESCRIÇÕES DE PAZ

“Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados...” – Jesus. (Mateus, 6:34).

Na garantia do próprio equilíbrio, alinhemos algumas indicações de paz, destinadas a imunizar-nos contra a influência de aflições e tensões, nas quais, tanta vez, imprevidentemente arruinamos tempo e vida:
corrigir em nós as deficiências suscetíveis de conserto, e aceitar-nos, nas falhas cuja supressão não depende ainda de nós, fazendo de nossa presença o melhor que pudermos, no erguimento da felicidade e do progresso de todos;
tolerar os obstáculos com que somos atingidos, ante os impositivos do aperfeiçoamento moral, e entender que os outros carregam igualmente os deles;
observar ofensas como retratos dos ofensores, sem traçar-nos a obrigação de recolher semelhantes clichês de sombra;
abolir inquietações ao redor de calamidades anunciadas para o futuro, que provavelmente nunca virão a sobrevir;
admitir os pensamentos de culpa que tenhamos adquirido, mas buscando extinguir-lhes os focos de vibrações em desequilíbrio, através de reajustamento e trabalho;
nem desprezar os entes queridos, nem prejudicá-los com a chamada superproteção tendente a escravizá-los ao nosso modo de ser;
não exigir do próximo aquilo que o próximo ainda não consegue fazer;
nada pedir sem dar de nós mesmos;
respeitar os pontos de vista alheios, ainda quando se patenteiam contra nós, convencidos quanto devemos estar de que pontos de vista são maneiras, crenças, opiniões e afirmações peculiares a cada um;
não ignorar as crises do mundo; entretanto, reconhecer que, se reequilibrarmos o nosso próprio mundo por dentro - esculpindo-lhe a tranqüilidade e a segurança em alicerces de compreensão e atividade, discernimento e serviço –, perceberemos, de pronto, que as crises externas são fenômenos necessários ao burilamento da vida, para que a vida não se tresmalhe da rota que as Leis do Universo lhe assinalam no rumo da perfeição.
(Francisco Cândido Xavier por Emmanuel.In: Ceifa de Luz)

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

JESUS, MEU AMIGO E MEU IRMÃO

Há dois mil anos e poucos

Uma criança especial nasceu

Seus pais o amavam muito

E os profetas diziam ser Ele o Messias ,

O Filho enviado de Deus .

Criança esperta e inteligente

Pode bem cedo notar

Que as pessoas estavam erradas

Matavam , roubavam e cobiçavam

Quase sem nenhum pesar

Propôs ao Mundo uma solução

Contando histórias como lição

De Amar a Deus como Pai

E ao próximo como irmão

Muitos amigos o seguiram

Resolveram lhe ajudar

Levando o nome de Deus

Com infinita bondade

Iam sem distinção revelando a VERDADE..

Doentes , cegos e aflitos

Acreditavam que Ele podia curar sua dor

Mas Ele sempre dizia

Quem cura é a sua fé e o AMOR .

Aos pecadores perdoava

Aos famintos alimentava

As dores balsamizava

Sempre em nome do Pai

Acolhia quem Lhe procurava

Sua obra Soberana

Começava a aparecer

Invejosos e hipócritas

Temeram perder o poder

Onde anda este Homem ?

Apaguem a sua Luz

Ele é um Charlatão

Matem , matem JESUS !

Na cruz Ele foi pregado

No seu rosto alguém cuspiu

Nem assim se revoltou

E perdão pelos assassinos pediu.



Sempre com muita humildade

Sua Vida cessou

Nos Braços do Pai Maior

A Humanidade entregou



A sua Obra ficou

E fez ressurgir a fé

E até hoje consagramos

A JESUS DE NAZARÉ

(autora: Paty Bolonha)

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

AGRADECEMOS SENHOR!

Senhor!
Ensina-nos a gratidão pelos bens que recebemos constantemente de tua Infinita Bondade, sem desconsiderar os supostos males com que a tua justiça misericordiosa nos amplia o patrimônio de bens.
Agradecemos a presença dos amigos que nos acrescentam os recursos capazes de nos garantirem o reconforto próprio e agradecemos também o concurso dos irmãos que nos ofertam ensejo de despendê-los, tanto quanto possível, pelos canais do trabalho ou ante a luz da beneficência;
os que nos amparam a vida e aqueles outros que nos rogam apoio, exercitando-nos na assistência com que fomos chamados a aprender o amor a que nos destinamos;
os benfeitores que nos administram aulas de educação e os que se nos fazem examinadores do grau de paciência ou de tolerância em que estagiamos presentemente;
a bênção dos amigos que nos consolam e a escora dos adversários, cujo policiamento nos disciplina;
os companheiros que nos incentivam a caminhar para a frente e os outros que nos socorrem, através da crítica construtiva.
Agradecemos, Senhor, a luz e a sombra, quando a sombra nos auxilia a buscar mais luz; a harmonia que nos pacifica as estradas do dia-a-dia e a tormenta de incompreensão, quando a incompreensão nos fortalece para descobrir a concórdia em que se reúnam os esforços de todos para a felicidade comum.
Diante da luta, induze-nos a entender que somente na luta encontramos os ingredientes precisos para a vitória em nós mesmos e perante o fracasso, qualquer que seja, faze-nos reconhecer que somente aprendendo e reaprendendo é que conseguiremos fixar a lição.
Senhor, não nos deixes entregues ao suposto bem que se transforma em mal e não nos permitas menosprezar o suposto mal que nos conduz ao bem.
E, sejam quais forem as provas a que sejamos chamados, auxilia-nos a saber – mas a saber com certeza indestrutível – que o teu amor reina sobre nós e que acima de todas as tribulações e dificuldades, obstáculos e lágrimas, estamos todos reunidos em teu coração e incessantemente sustentados por teus braços eternos.
Assim seja.
(Francisco Cândido Xavier por Emmanuel. In: Irmão)

Reflectindo...

"O lar não é somente a moradia dos corpos, mas, acima de tudo, a residência das almas..."

Emmanuel

Casas Mortas, Casas Vivas

Sua casa é viva ou morta? A pergunta soa estranha, com certeza. E você logo responderá que casa é algo inanimado.

A casa é feita de pedras, tijolos, madeira, portanto, não tem vida.

Entretanto, casas existem que são mortas. Você as adentra e sente em todos os cômodos a inexistência de vida. Sim, dentro delas habitam pessoas, famílias inteiras.

Mas são aquelas casas em que quase tudo é proibido. Tudo tem que estar tão arrumado, ajeitado, sempre, que não se pode sentar no sofá porque se está arriscando sujar o revestimento novo e caro.

Casas em que o quarto das crianças é impecável. Todos os bichinhos de pelúcia, por ordem de cor e tamanho, repousam nas prateleiras.

Essas casas são frias. Pequenas ou imensas, carecem do calor da descontração, da luz da liberdade e da iluminada possibilidade de dentro delas se respirar, cantar, viver.

Por isso mesmo parecem mortas.

As casas vivas já demonstram, desde o jardim, que nelas existe vibração e alegria.

No gramado, a bola quieta fala da existência de muitos folguedos. A bicicleta, meio deitada, perto da garagem, diz que pernas infantis até há pouco a movimentaram com vigor.

Em todos os cômodos se reflete a vida. No sofá, um ursinho de pelúcia denuncia a presença de um pequenino irrequieto que carrega a sua preciosidade por todos os cantos.

Na saleta, livros, cadernos e lápis dizem dos estudos que se repetem durante horas. O dicionário aberto, um marcador de páginas assinalando uma mensagem preciosa falam de pesquisa e leitura atenciosa.

A cozinha exala a mensagem de que ali, a qualquer momento, pode chegar alguém e se servir de um copo d’água, um café, um pedaço de pão.

Os quartos traduzem a presença dos moradores. Cores alegres nas cortinas, janelas abertas para que o sol entre em abundância.

Os travesseiros um pouco desajeitados deixam notar que as crianças os jogam, vez ou outra, umas contra as outras, em alegres brincadeiras.

Enfim, as casas vivas são aquelas em que as pessoas podem viver com liberdade. O que não quer dizer com desordem.

As casas vivas são aquelas nas quais os seus moradores já descobriram que elas foram feitas para morar, mas sobretudo para se viver.

* * *

O desapego às coisas terrenas inicia nas pequeninas coisas. Se estabelecemos, em nosso lar, rígidas regras de comportamento para que tudo esteja sempre impecável, como se pessoas ali não vivessem, estamos demonstrando que o mais importante são as coisas, não as pessoas.

Manter o asseio, a ordem é correto. Escravizar-se a detalhes, temer por estragos significa exagerado apego a coisas que, em última análise, somente existem em função das pessoas.

Transforme sua casa, pequena, de madeira, uma mansão, num lugar agradável de se retornar, de se viver, de se conviver com a família, os amigos, os amores.

Coloque sinais de vida em todos os aposentos. Disponha flores nas janelas para que quem passe, possa dizer: Esta é uma casa viva. É um lar.



Redação do Momento Espírita

NATAL

_QUE TAL VOCÊ IR ATÉ A AGÊNCIA DOS CORREIOS MAIS PRÓXIMA, PEGAR UMA DAS 17 MILHÕES DE CARTINHAS DE CRIANÇAS POBRES E SER O PAPAI OU MAMÃE NOEL DELAS?

HÁ PEDIDOS INACREDITÁVEIS!!!

- TEM CRIANÇA PEDINDO UM PANETONE,
- UMA BLUSA DE FRIO PARA A AVÓ
- OU.......

DEIXO A IDÉIA LANÇADA. É SÓ PEGAR A CARTINHA E ENTREGAR O PRESENTE EM UMA AGÊNCIA DO CORREIO ATÉ O DIA 20/12/2007. O PRÓPRIO CORREIO SE ENCARREGA DE FAZER A ENTREGA.
NA VIDA A GENTE PASSA POR TRÊS FASES:

- A PRIMEIRA QUANDO ACREDITAMOS NO PAPAI NOEL;
- A SEGUNDA QUANDO NÃO ACREDITAMOS
- A TERCEIRA QUANDO SOMOS PAPAI NOEL! (VALE MAMÃE NOEL TAMBÉM RSRSSRS)

Enviado por Serja Brunara

CONVITE

Dei-me conta, dia desses, que o Seu aniversário está chegando. Não que eu tivesse anotado no calendário. Lembrei da data, por causa do tumulto das lojas.
Todo ano é assim. As pessoas ficam muito preocupadas em comprar muitos presentes e coisas novas.
O mais estranho é que eles não são para Você. São para si mesmos, para parentes, amigos, clientes, conhecidos.
Este ano, pensei em convidar Você para comemorar o seu aniversário lá em casa.
Como sua família é a humanidade, é possível que Você tenha muitos convites.
É possível que muitas pessoas, no mundo todo, queiram que Você esteja com elas, nesse seu dia tão especial.
Sabe, como existe a questão do fuso horário, criando diferentes horas em diversos locais do globo, creio que Você não terá muitas dificuldades.
Você poderá vir à hora que quiser. Estarei esperando. Minha casa não é muito grande. Aliás, é bem pequena. Tenho certeza que Você não se importará.
E também creio que não se importará de andar em estrada de chão, porque o bairro onde moro é dos mais distantes. Quase ao final da cidade.
Porém, como Você andou muito pelas estradas, e pelos campos, não creio que terá dificuldades em enfrentar esse pequeno trecho.
Se vier durante o dia, Você reconhecerá minha casa, pelas rosas que enfeitam a cerca. Estarão todas desabrochadas, no dia do seu Natal.
Elas costumam se debruçar, pendendo para o lado de fora, espiando a rua. Tenho certeza que nesse dia, mais do que nunca, elas estarão alongando suas hastes para vê-Lo desde longe.
E quando o virem, exalarão tal perfume que me dirá que Você está chegando.
Deixarei a luz acesa, caso Você decida vir após o cair da tarde. E a porta entreaberta.
A mesa estará posta. Tenho guardado uma toalha para ocasiões especiais. Estará cobrindo a velha mesa.
Assarei pão. Possivelmente não será tão saboroso como o de sua mãe. Entretanto, tenha certeza que farei a massa com todo o carinho.
Colherei frutas das árvores do quintal e farei um bolo. Como sei que Você aprecia convidar os que andam pelas ruas, os que andam sozinhos, para a comemoração do seu aniversário, colocarei alguns pratos extras.
Só peço que Você não convide muita gente, Jesus. Afinal, minha casa é pequena e meus recursos são poucos.
Mas, repartirei com prazer o que tiver.
Talvez Você não possa ficar muito tempo. Sei que Você é muito ocupado. Contudo, mesmo que Você parta, os seus amigos poderão ficar.
Continuaremos a conversar sobre a grandeza dos Seus feitos e a sublimidade dos Seus ensinos. Preciso muito relembrar essas questões tão esquecidas.
Se Você vier, Jesus, talvez possa esse ser o Natal da minha redenção.
É que me sinto um tanto perdido, entre as coisas do mundo. Ando esquecido de orar. Por vezes, quase esqueço que sou filho de Deus. E herdeiro do universo.
Sinto-me tão só que esqueço que posso encontrar irmãos em toda parte.
Esqueço de tantas coisas. Por isso, Jesus, a sua presença, no Seu aniversário, será tão importante.
Desejo, sinceramente, Jesus, que Você possa vir à minha casa para encher de luz meu coração e minha vida.
Eu lhe direi feliz aniversário. Você me dará o presente de sua presença. E, então, será verdadeiramente Natal.
(Texto da Equipe de Redação do Momento Espírita)

domingo, 9 de dezembro de 2007

BENEFÍCIO OCULTO

Cap. XIII – Item 3 - ESE

"Não saiba vossa mão esquerda o que oferece a direita" é a lição de Jesus que constantemente nos sugere a sementeira do bem oculto.
Entretanto, é preciso lembrar que se "nem só de pão vive o homem", não se alimenta a virtude tão-somente de recursos materiais.

Acima do benefício que se esconde para ser mais seguro no campo físico, de modo a que se não firam corpos doentes e bocas famintas pelos acúleos da ostentação, prevalece o amparo mudo às necessidades do sentimento, na esfera do espírito, a fim de que os tóxicos da maldade e os desastres do escândalo não arrasem experiências preciosas com o fogo da imprevidência.

Se percebeste no companheiro as escamas do orgulho ou da rebeldia, envolve-o no clima da humildade, socorrendo-lhe a sede imanifesta de auxílio, e se presenciaste a queda de alguém, no caminho em que jornadeias, alonga-lhe os braços de irmão, para que se levante, sem exagerar-lhe os desajustes com a referência insensata.

Se um amigo aparece errado aos teus olhos, cala o verbo contundente da crítica, ajudando-o com a bênção da prece, e se o próximo surge desorientado e infeliz, em teus passos, oferta-lhe o favor do silêncio, para que se reequilibre e restaure.

Não vale encarecer cicatrizes e imperfeições, a pretexto da apagá-las no corpo das horas, porquanto leve chaga, tratada com desamor, é sempre ferida e cronicificar-se no tempo.

Distribui, desse modo, a beneficência do agasalho e do pão, evitando humilhar quem te recolhe os gestos de providência e carinho; contudo, não olvides estender a caridade do pensamento e da língua, para que o bálsamo do perdão anule o veneno do ódio e para que a força do esquecimento extinga as sombras de todo mal.

(Francisco Cândido Xavier por Emmanuel. In: O Espírito da Verdade )

COMPAIXÃO EM FAMÍLIA

"Mas se alguém não tem cuidado dos seus e, principalmente dos da
sua família, negou a fé ..." Paulo. {I Timóteo, 5:8. }

São muitos assim,

Descarregam primorosa mensagem nas assembléias, exortando o povo à compaixão; bordam conceitos e citações, a fim de que a brandura seja lembrada; entretanto, no instituto doméstico, são carrascos de sorriso na boca.

Traçam páginas de subido valor, em honra da virtude, comovendo multidões; mas não gravam a mínima gentileza nos corações que os cercam entre as paredes familiares.

Promovem subscrições de auxílio público, em socorro das vítimas de calamidades ocorridas em outros continentes, transformando-se em titulares da grande benemerência; contudo, negam simples olhar de carinho ao servidor que lhes pões a mesa.

Incitam a comunidade aos rasgos de heroísmo econômico, no levantamento de albergues e hospitais, disputando créditos publicitários em torno do próprio nome; entretanto, não hesitam exportar, no rumo do asilo, o avô menos feliz que a provação expõe à caducidade.

Não seremos nós quem lhes vá censurar semelhante procedimento.

Toda migalha de amor está registrada na lei, em favor de quem a emite.

Mais vale fazer bem aos que vivem longe, que não fazer bem algum.

Ajudemos, sim, ajudemos aos outros, quanto nos seja possível; entretanto, sejamos igualmente bons para com aqueles que respiram em nosso hálito. Devedores de muitos séculos, temos em casa, no trabalho, no caminho, no ideal ou na parentela, as nossas principais testemunhas de quitação.

(Francisco Cândido Xavier por Emmanuel. In: Palavras de vida eterna)

A Paz Nasce No Lar

Você já se deu conta de que as guerras, tanto quando a violência, nas suas múltiplas faces, nascem dentro dos lares?

Em tese, é no lar que aprendemos a ser violentos ou pacíficos, viciosos ou virtuosos.

Sim, porque quando o filho chega contando que um colega lhe bateu, os pais logo mandam que ele também bata no agressor.

Muitos pais ainda fazem mais, dizendo: "filho meu não traz desaforo para casa"; "se apanhar na rua, apanha em casa outra vez"!

Se o filho se queixa que alguém lhe xingou com palavrões, logo recebe a receita do revide: "faça o mesmo com ele". "vingue-se", "não deixe por menos".

Quando o amiguinho pega o brinquedo do filho, os pais intercedem dizendo: "tire dele, você é mais forte", "não seja bobo"!

Essas atitudes são muito comuns, e os filhos que crescem ouvindo essas máximas, só não aprendem a lição se tiverem alguma deficiência mental, ou se forem espíritos superiores, o que é raro na terra.

O que geralmente acontece é que aprendem a lição e se tornam cidadãos agressivos, orgulhosos, vingativos e violentos. Ingredientes perfeitos para fomentar guerras e outros tipos de violências.

Se, ao contrário, os pais orientassem o filho com conselhos sábios, como: perdoe, tolere, compartilhe, ajude, colabore, esqueça a ofensa, não passe recibo para a agressividade, os filhos certamente cresceriam alimentando outra disposição íntima.

Seriam cidadãos capazes de lidar com as próprias emoções e dariam outro colorido à sociedade da qual fazem parte.

Formariam uma sociedade pacífica, pois quando uma pessoa age diante de uma agressão, ao invés de reagir, a violência não se espalha.

A paz só será uma realidade, quando os homens forem pacíficos, e isso só acontecerá investindo-se na educação da infância.

Os pais talvez não tenham se dado conta disso, mas a maioria dos vícios também são adquiridos portas à dentro dos lares.

É o pai incentivando o filho a beber, a fumar, a se prostituir, das mais variadas formas.

É a mãe vestindo a filha com roupas que despertam a sensualidade, a vaidade, a leviandade.

Meninas, desde os três anos, já estão vestidas como se fossem moças, com roupas e maquiagens que as mães fazem questão de lhes dar.

Isso tudo fará diferença mais tarde, quando esses meninos e meninas estiverem ocupando suas posições de cidadãos na sociedade.

Então veremos o político agredindo o colega em frente às câmeras, medindo forças e perdendo a compostura.

Veremos a mulher vulgarizada, desvalorizada, exibindo o corpo para ser popular.

Lamentavelmente muitos pais ainda não acordaram para essa realidade e continuam semeando sementes de violência e vícios no reduto do lar, que deveria ser um santuário de bênçãos.

Já é hora de pensar com mais seriedade a esse respeito e tomar atitudes para mudar essa triste realidade.

É hora de compreender que se quisermos construir um mundo melhor, os alicerces dessa construção devem ter suas bases firmes no lar.

...............

Jesus, nosso Irmão Maior, trouxe-nos a receita da paz. Com Ele poderemos erguer-nos, da treva à luz.

Da ignorância à sabedoria.

Do instinto à razão.

Da força ao direito.

Do egoísmo à fraternidade.

Da tirania à compaixão.

Da violência ao entendimento.

Do ódio ao amor.

Da extorsão à justiça.

Da dureza à piedade.

Do desequilíbrio à harmonia.

Do pântano ao monte.

Do lodo à glória.



Equipe de Redação do site www.momento.com.br, com base em seminário proferido por Raul Teixeira, no VI SIMPÓSIO PARANAENSE DE ESPIRITISMO, no dia 27/05/03, e no cap. 61 do livro Pão Nosso, ed. FEB.

A Natureza é assim... Deus nos ensina se soubermos estar atentos...

A Natureza é assim... Deus nos ensina se soubermos estar atentos...
"Espíritas! Amai-vos, eis o primeiro mandamento; Instruí-vos, eis o segundo."

Vale a pena

Loading...

Se o amor se vai

Loading...