Siga este Blogue e indique aos seus amigos, eles lhe agradecerão...

segunda-feira, 8 de março de 2010

"Cristianismo e Espiritismo"

Ednilsom Montanhole

Estrutura:

Introdução - explicação inicial, tema e bibliografia
Cristianismo - de onde veio, como chegou até nós, o que nos interessa dele.
Comparações - pontos em comum entre cristianismo e espiritismo
Conclusão - somos todos cristãos, devemos nos esforçar em sê-lo
Introdução

Quando Jesus esteve entre nós, pregou, ensinou, operou milagres, andou sobre águas, ressuscitou mortos, foi julgado, condenado e crucificado. Nunca escreveu nenhuma palavra, nunca pintou ou construiu nada. Seu legado foram suas idéias. E se hoje, contamos o ano de 1996 de seu nascimento, é porque sentimos que estas idéias eram importantes, que tinha algo mais ali além de palavras. E lutamos para compreende-las até hoje. O Espiritismo é o Consolador prometido, enviado para auxiliar na compreensão das idéias de Jesus. Este é o tema que falaremos hoje, Cristianismo e Espiritismo, a ligação que há entre eles e a forma como este último auxilia o primeiro.

Cristianismo

O que sabemos sobre Jesus, está basicamente nos Evangelhos, a parte do Novo Testamento da Bíblia. Como já foi dito, Jesus nunca escreveu nada enquanto esteve vivo. Também nenhum de seus discípulos pensou em anotar tudo o que ele dizia na mesma hora. Suas idéias e conceitos foram transmitidos de boca em boca por mais de 50 anos, quando então o primeiro dos Evangelhos, o de Marcos, foi colocado, parcialmente, no papel. Naquele tempo os judeus viviam tempos difíceis com os romanos, tentaram expulsa-los de suas terras, e o resultado foi o contrário, os romanos é que os expulsaram. É a diáspora, quando eles de dispersam por toda a Europa. Apenas este século é que conseguiram se juntar de novo. Por causa disso, havia muito ressentimento no ar, e em diversos trechos, este é o tom do evangelho de Marcos. Em seguida vieram os de Mateus e Lucas, já quase no final do século I, finalmente veio o de João. Todos eles começaram pequenos, e foram sendo acrescentados de outros textos, pouco a pouco. Na mesma época surgiram diversas outras narrativas, hoje se conhecem mais de vinte. Lucas, no primeiro versículo de seu evangelho nos fala "Tendo por muitos empreendido a missão de por em palavras o que Jesus trouxe até nós", demonstrando aqui que ele não estava só. Os apóstolos originais apenas pregavam, transmitiam de boca em boca, os que escreveram, apenas reproduziram o que ouviram. Claro que nenhum deles ficou ao lado dos apóstolos o tempo todo, de modo que cada um destes textos traz uma parte do conjunto. No século III, os líderes da igreja quiseram criar um texto único para se basearem, assim foi designado um relator, conhecido hoje como São Jerônimo, ele pegou tudo o que havia sido escrito, selecionou o que julgava correto e criou o que chamou-se de Vulgata, ou texto comum a todos os outros. O resto foi considerado apócrifo, e desprezado.

Assim, vemos que muito do que temos hoje, foi mudado, não por má fé, mas simplesmente porque foi transmitido de boca em boca, parcialmente, sem uma base comum, de modo que temos um texto cheio de informações contraditórias quanto aos atos de Jesus, aos milagres, às profecias e às palavras que serviram de estabelecimento aos dogmas. Mas há um ponto comum e pacífico a todos os que se dizem cristãos, que é a sua moral. O ensino moral de Jesus não é discutível, pois ele está mesmo acima da moral dos homens. O Espiritismo vem fortalecer o Evangelho, porque este foi contado na forma de parábolas, estórias, que causaram dúvidas e mal entendimentos.

Quando Kardec iniciou a codificação da doutrina, sabia que uma parte dela seria baseada em conceitos morais, pois havia sido avisado disso. Mas que moral seria essa, uma nova ? não. A moral Espírita é a moral do Evangelho. Não era preciso nenhuma outra, quando Kardec pergunta, na questão 625 do L.E. qual o modelo maior de moral a ser seguido, a resposta é simples e direta: "Jesus". Assim, nada mais nos resta então do que tentar entender o que Jesus nos disse, agora à luz das explicações da Doutrina, e aplicar. Quanto aos outros aspectos dos evangelhos, o Espiritismo abstém-se de dar qualquer opinião, pois são por demais controversos. Claro que se pode estudar estas diferenças, estudar e compreender de onde elas vêm é sempre bom, mas deve-se lembrar sempre que é no progresso moral que residem as maiores conquistas da alma do homem, estas só são obtidas pela prática dessa moral.

É na combinação destes dois elementos, inteligência e moral que se baseará a sociedade do futuro. E o Espírito da Verdade já nos fala, em sua resposta à questão 930 do L.E., que numa sociedade organizada pela lei do cristo, ninguém deverá morrer de forme, ou seja, quando este mundo chegar, será bastante diferente do que temos hoje. Já a interpretação espírita do Evangelho evita que este vá a extremos, tanto de um lado quanto outro, não chega no intelectualismo inócuo e evita o evangelismo improdutivo.

A moral do Evangelho, no que ela tem de mais límpido e perene, em todas as latitudes, desde que seja vivida e não apenas sabida de cor, é o mais seguro ponto de apoio para que o homem se torne melhor e mais feliz. Assim, segundo o espiritismo, o Evangelho não é apenas um tratado de fé, um conceito ou idéia para conversa e discussão, mas um modo de vida, motivo de ação regeneradora. Respeitamos o que não pensam dessa forma, mas temos o direito de pensar como queremos. Na verdade, entre aqueles que se dizem cristãos não deveria haver conflito, pois a moral de Jesus se resume no amor ao próximo, preconizado no seu mandamento maior.

Três fatores levam o Espiritismo ao Evangelho:

Cultura ocidental, que é mais cristianizada. Existem outros códigos morais de excelente qualidade em outras culturas, mas onde surgiu o espiritismo, a maioria é cristão, assim é mais fácil para todos compreende-la. Ademais nenhum outro sistema tem a envergadura moral fornecida por Jesus.
Os espíritos assim dirigiram. Mesmo que se desejasse seguir outras linhas morais, os próprios espíritos que criaram a doutrina direcionaram-na ao cristianismo. Eles sabiam o que faziam.
É dinâmica, assim como o próprio Espiritismo. Ela combina direitinho com o espiritismo porque sua essência é de trabalho. Não há resultado sem ação. Assim o é com o Espiritismo.
Comparações

Quais são os pontos concordantes entre o evangelho e a doutrina.

Primeiramente a existência de Deus. A questão 1 do L.E. inicia perguntando o que é Deus. E a resposta é que Ele é a causa primária de todas as coisas. Quando perguntaram a Jesus qual o maior mandamento, ele começou dizendo o primeiro mandamento da lei de Moisés, "Amarás ao teu Deus de todo coração e todo entendimento" (Mateus XXII:34-40). Também se refere sempre a "Meu Pai que está no céu".

A imortalidade da alma é outro ponto concordante. Nas questões 23 a 29 do L.E., Kardec questiona diversos aspectos sobre o espírito e a alma, as quais são respondidas pelo espírito da verdade como princípio inteligente do universo, e que conserva sua individualidade depois da morte, ou seja, depois de desencarnado a alma é a mesma que quando encarnada. Jesus prega o mesmo conceito ao dizer que para alcançar o reino de Deus é necessário nascer de novo (João III:1-12). E para nascer de novo é preciso que a alma tome forma em novo corpo, dessa forma ela se preserva, é imortal.

Mais um, é a vida futura. Nas questões 149 a 153, Kardec discute a natureza da alma e seu destino, ali fica claro que após a morte, o espírito continua como é, e que procura, algum tempo depois, novo corpo, para poder aprender, até chegar à perfeição. A passagem anteriormente mencionada já ilustra este ponto, ao dizer que é preciso nascer de novo. Mas Jesus vai mais além, quando está sendo julgado perante Pôncio Pilatos, diz que seu reino não é desse mundo (João XVIII:33-37), ilustrando-nos com a idéia que existe muito mais além dessa vida, e que é esse reino que devemos procurar.

O Evangelho prega: "A cada um segundo suas obras" (Lucas XII:47-48), é condicional, portanto, à atitude do indivíduo. Não basta crer em Jesus, devemos fazer o que ele nos mandou. O espiritismo concorda e amplia isso, o capítulo II do livro IV do L.E. fala das penas e gozos futuros, onde ele define que tudo o que recebemos hoje, é conseqüência de nossos atos no passado, e que tudo o que iremos receber no futuro, é conseqüência de nossos atos de agora em diante.

O Evangelho prega: "Buscai primeiro o reino de Deus e sua justiça, e todas esses coisas vos serão acrescentadas" (Mateus VI:33). Quem procede com justiça, honestidade e respeito às leis de Deus pode viver em paz com sua consciência e com o mundo. O espiritismo repete isso ao dizer que é necessária a reforma íntima, na qual procuramos corrigir nossos defeitos, é a tal procura do reino de Deus, estas idéias são apresentadas no L.E. cap. XII livro III. As coisas que nos são acrescentadas não são necessariamente materiais, mas principalmente a paz de espírito e o ânimo para continuar nossa vida, sabendo que com nossos atos estamos plantando para um futuro melhor.

Ensina Jesus: "Buscai e achareis" (Mateus VII:7-11). Para que se ache algo é preciso esforço procurando, se nada fizermos, nada acontece. Na questão 674 do L.E. vemos na resposta: "O trabalho constitui uma necessidade". Assim vemos que não são aceitas atitudes contemplativas, mas ações concretas. É preciso sair a campo, tentar, errar, falhar, mas atuar, quem atua, mesmo que erre muito, consegue mais do que quem não faz nada, este pode não cometer erros, mas também não obtém vitórias. Deus premia apenas aquele que faz por merecer.

Recomenda Jesus: "Pedí e obtereis" (Marcos XI:24). Jesus falava aqui do valor da prece, da oração para Deus, mas é preciso saber pedir. No L.E., pergunta 660 temos a resposta: "O essencial não é orar muito, mas orar bem", orar com justiça e sinceridade, sabendo pedir, não absurdos ou coisas materiais, mas forças para superar as provas e problemas da vida.

Sobre o aprimoramento pessoal, Jesus disse: "Sede perfeitos" (Mateus V:48). Jesus dizia-nos que deveríamos procurar a perfeição, tendo como objetivo principal alcançar a Deus e estar a seu lado. No E.S.E., Cap. XVII item 3 temos aquela que considero a mais bela passagem de toda a codificação, onde se descreve ali os caracteres do homem de bem. Por esta descrição vemos que ele está sempre à procura da perfeição, como ordenou Jesus.

Conclusão

Cristianismo e Espiritismo são uma coisa só. O primeiro veio trazer a base da moral dos homens, o segundo veio explicar como usar esta moral para se aprimorar e ser melhor. Muito há para aprender. Ainda hoje discutimos essa moral, tentando entende-la. No fundo, devemos ter sempre em mente o exemplo de vida de Jesus, que não apenas falava, mas fazia, mostrava. Procuremos seguir seus passos e suas palavras, tornando-nos mais cristãos, contando com todo o apoio do Espiritismo.

Exemplo de transparência em preto e branco.

Evangelho Espiritismo
Mateus XXII:34-40 - Amarás a teu Deus L.E. 1 - Deus é causa primária
João III:1-12 - Nascer de novo L.E. 23/29 - Princípio Inteligente
João XVIII:33-37 - Meu reino não é desse mundo L.E. 149/153 - O espírito evolui para alcançar a perfeição
Lucas XII:47-48 - A cada um segundo suas obras L.E. Cap. 2 Livro 4 - Penas e gozos futuros, ação e reação
Mateus VI:33 - Buscai o reino de Deus L.E. Cap. 12 Livro 3 - Reforma íntima
Mateus VII:7-11 - Buscai e achareis L.E. 674 - O trabalho é uma necessidade
Marcos XI:24 - Pedí e obtereis L.E. 660 - O essencial não é orar muito, mas orar bem
Mateus V:48 - Sede perfeitos E.S.E. Cap. XVII-3 - Caracteres do homem de bem
Transparência para Impressora Jato de Tinta Colorida

Evangelho

Espiritismo

Mateus XXII:34-40 - Amarás a teu Deus L.E. 1 - Deus é causa primária
João III:1-12 - Nascer de novo L.E. 23/29 - Princípio Inteligente
João XVIII:33-37 - Meu reino não é desse mundo L.E. 149/153 - O espírito evolui para alcançar a perfeição
Lucas XII:47-48 - A cada um segundo suas obras L.E. Cap. 2 Livro 4 - Penas e gozos futuros, ação e reação
Mateus VI:33 - Buscai o reino de Deus L.E. Cap. 12 Livro 3 - Reforma íntima
Mateus VII:7-11 - Buscai e achareis L.E. 674 - O trabalho é uma necessidade
Marcos XI:24 - Pedí e obtereis L.E. 660 - O essencial não é orar muito, mas orar bem
Mateus V:48 - Sede perfeitos E.S.E. Cap. XVII-3 - Caracteres do homem de bem

Sem comentários:

A Natureza é assim... Deus nos ensina se soubermos estar atentos...

A Natureza é assim... Deus nos ensina se soubermos estar atentos...
"Espíritas! Amai-vos, eis o primeiro mandamento; Instruí-vos, eis o segundo."

Vale a pena

Loading...

Se o amor se vai

Loading...