Siga este Blogue e indique aos seus amigos, eles lhe agradecerão...

terça-feira, 1 de julho de 2008

Espiritismo sem espíritos não tem graça... Por que muitos espíritas insistem em tirar os espíritos do Espiritismo?

Eu não conheço um caso, sequer, de algum espírita que tenha feito alguma coisa de destaque, pela doutrina, que não tenha inúmeros espíritas que não goste dele e até mesmo inimigos. Desde o tempo de Kardec, quando ele foi a primeira vítima (vide “Obras Póstumas”) em toda a história do Espiritismo, quem quiser pesquisar sobre isto que pesquise e veja se tenho ou não razão em fazer esta afirmativa.
É muito comum ouvirmos determinadas lideranças “espíritas” afirmarem: “Não quero nem ouvir falar no nome de Fulano aqui neste centro”, “Livro de Cicrano aqui não entra”, “Beltrano não faz palestra aqui em nosso centro, nem pintado de ouro”.

É lamentável porque muitos espíritas notáveis se deixaram calar pela presunção de alguns outros. Mas, felizmente, existem espíritas “chatos” que não se calam nunca e insistem em abrir a boca porque sabem que, embora haja tanta incoerência e contradição em nosso movimento, há também muita gente sensata, honesta, digna e inteligente que analisa os confrades pelo conteúdo e não pela forma.
Eu, que sou um destes que alguns, se pudessem, já teriam lançado à fogueira da inquisição, muito “fraternalmente”, de forma destemida insisto em escrever os meus artigos, fazer os meus comentários e até colocar-me a disposição de todos, amigos e desafetos, para que contestem o que estou escrevendo. Caso alguém consiga ter argumentos consistentes que comprovem que eu realmente esteja errado em algum conceito emitido, acerca do Espiritismo, podem todos ter a certeza de que retificarei o artigo, sem ficar com raiva do contestador, mandarei novamente para todo mundo, agradecerei ao contestador por me ensinar o correto sobre o ponto abordado e ainda pedirei desculpas em público pela falha cometida por mim. Não consigo ver sensatez em alguém ficar com raiva de quem lhe corrige, com colocações que de fato fazem sentido, o que não quer dizer que deva aceitar supostas correções que nada mais são do que “opiniões pessoais”, “visões particulares” ou até achismo de determinado companheiro que entende ser a sua visão da doutrina a correta.
Vamos ao assunto de hoje:
Por que Espiritismo sem Espíritos?
Tem sentido restringirem e até cercear as manifestações dos espíritos?
Há muitos anos temos verificado, no movimento espírita, um modismo que diz mais ou menos o seguinte: “a época dos fenômenos já passou, agora estamos vivendo a época do estudo, a época da nossa reforma íntima”.
Leram sobre isto e chegaram à conclusão de que a manifestação de espíritos é fenômeno e, porque foi dito que o Espiritismo viveria uma fase onde o interesse maior seria pelos fenômenos, depois passaria a uma outra fase, determinaram que essa época deve ser totalmente extinta, que não se pode mais falar em fenômenos e que tudo o que pode ser considerado como fenômeno deve ser abolido do Espiritismo.
Você já reparou que conceituação mais maluca? Que conclusão mais superficial, sem preocupação com as conseqüências?
Se recorrermos ao dicionário, encontraremos a expressão fenomenal significando: algo extraordinário, surpreendente, espantoso, admirável, fantástico...
E aí eu pergunto a você, praticante do Espiritismo:
Você vê a comunicação de encarnado com desencarnado como coisa extraordinária, surpreendente, espantosa e fantástica?
Eu, sinceramente, não vejo. Muito pelo contrário, vejo como algo normal e natural, que deveria ser praticado no mundo sem qualquer formalidade, ritual e procedimento religioso.
É simplesmente a visão pessoal do Alamar?
Pode ser sim, uma visão pessoal do Alamar, mas dentro de uma conceituação baseada no fato de que a Doutrina Espírita nos ensina que os espíritos desencarnados são exatamente as mesmas pessoas que conviveram conosco, mantendo os mesmos gostos, o mesmo nível moral, cultural e intelectual, as mesmas manias, paixões, os mesmos apegos, os mesmos valores, características e particularidades.
Então, dentro desta conceituação, questionemos:
Um determinado cidadão está hoje aqui encarnado, tem o segundo grau completo, é uma pessoa alegre, alto astral, adora as músicas do Zeca Pagodinho, adora conversar sobre futebol e dedica-se horas e horas a falar sobre o seu Flamengo, já que o time é uma das maiores paixões da sua vida, sempre gosta de contar a última piada acerca do Lula, do português, do brasileiro, do papagaio e de vários outros gêneros. De repente ele desencarna, aceita a sua desencarnação, percebe a via mediúnica e resolve comunicar-se com os que aqui ainda estão.
Terá deixado de gostar do Flamengo? O seu nível escolar não será mais o segundo grau? Não gosta mais das músicas do Zeca Pagodinho e não será mais aquela pessoa alegre, só porque morreu?
O cidadão nunca conversou com os amigos e pessoas queridas de cabeças baixas e com as mãos nos rostos, em ambiente necessariamente triste, todo mundo falando baixinho e músicas do tipo “Ave Maria de Gounod” e outras que são conhecidas como músicas de oração.
Por que tem que ser sempre assim?
Que me desculpem os adeptos dos rituais “espíritas”... isto mesmo, existe sim ritual espírita... mas eu acho que devemos desdefuntar os espíritos.
Misericórdia, Alamar!!! Que diabo de palavra mais horrorosa é essa que você inventou? Desdefuntar! Que diabo é isso?
Desdefuntar, segundo diziam Voltaire, Sócrates, Goethe, Ouspenski, Confúcio, Lula e a mãe do Zé Paulo significa tirar a qualidade de defunto da pessoa desencarnada. Ou seja, parar de ver toda pessoa desencarnada como defunto.
Isto é que é uma cultura espírita, não é verdade?
Mas voltando a falar sério...
Que a tristeza se resuma apenas ao momento do velório e do sepultamento do corpo e não do indivíduo.
Queiram ou não os espíritas que insistem em chamar as comunicações mediúnicas de fenômenos, elas são comunicações normais entre criaturas espirituais.
Restringir ou cercear a comunicação de desencarnados em uma instituição espírita é uma discriminação, do mesmo jeito que discriminação é impedir que abra a boca em um centro espírita uma pessoa de cor negra, de cor loura, mulata ou que não seja do tipo A, B ou C.
Mas existe uma “justificativa” muito utilizada no movimento espírita, para impedir o contato com os espíritos:
- “O intercâmbio mediúnico é algo muito sério, devemos ter muito cuidado, temos que estar muito vigilantes para evitar o animismo e as mensagens trazidas pelos espíritos pseudo-sábios... enfim, é preferível evitar, porque o que importa é o estudo”.
Dizem que devemos ter muito cuidado com espíritos inferiores que se apresentam com nomes de personalidades conhecidas e respeitadas.
E ainda vamos mais longe quando muitos espíritas se apegam demais naquela questão que diz:
- “É preferível recusarmos nove verdades a aceitar uma mentira”.
Vocês já imaginaram se os espíritas levassem isto a sério, com todo esse rigor, quando diante das fofocas, das intrigas e das manifestações invejosas vigentes em nosso movimento espírita?
Seria uma beleza, não seria?
Por que todo esse rigor somente em relação a comunicação mediúnica?
Se observarmos o item 12 da Introdução de “O Livro dos Espíritos”, logo no seu início, vamos perceber Kardec fazendo referência a essa possibilidade de espíritos que aparecem se dizendo Sócrates, Júlio César, Carlos Magno, Fénelon, Napoleão, Washington etc...
É fato que a possibilidade do engodo existe, nos dois planos. Mas será que não conseguimos aprender, na própria obra básica, como identificarmos os espíritos? Será que somos todos espíritas bobos a ponto de nos deixar enganar por desencarnados pseudo- sábios, do mesmo jeito que muitos se deixam enganar por encarnados que dirigem instituições espíritas com moralidade de fachada?
Paremos com isto, gente!
Deixemos os espíritos se comunicarem e avaliemos cada mensagem pelo seu CONTEÚDO. Pronto, tá resolvido.
Paremos também com essa mania de pressionarmos e duvidarmos da integridade dos médiuns dos centros espíritas mais simples, quando através deles vêm mensagens que trazem assinaturas de espíritos muito conhecidos e famosos.
O Abraham Lincoln, por exemplo, está condenado a não se comunicar nunca, através de um médium, vocês sabiam?
Sinceramente, com toda franqueza, aponte um centro espírita qualquer, em qualquer lugar do mundo, onde algum médium recebesse uma mensagem mediúnica com a assinatura Abraham Lincoln, e esse não sofresse comentários e críticas pesadíssimas por parte dos participantes da mesma sessão mediúnica e todos os outros trabalhadores do centro.
Exemplifiquei o Lincoln de propósito, porque tenho uma história a contar sobre isto.
No dia 12 de maio de 1996 eu apresentava a Primeira Semana Espírita de Nova York, na Comunity Church, em Manhattan, nos Estados Unidos, um evento histórico e belo, realizado pelo Allan Kardec Spiritism Center e vários centros locais, que emocionou muita gente, quando no primeiro intervalo para o café eu fui chamado por um casal em um cantinho da igreja, para uma conversa atrás de uma coluna.
Era um casal querendo uma opinião minha e uma senhora, bastante nervosa, com umas folhas de papel enroladas na mão.
Foi o seguinte: No momento que acontecia a primeira palestra, de abertura do evento, a senhora, que estava sentada em um dos bancos, ao lado do casal, começou a tremer e, de repente, pegou o bloquinho de anotação, tomou da caneta e começou a escrever, sem nunca ter tido qualquer experiência mediúnica antes, muito menos no campo da psicografia. O casal ao lado, diante da rapidez da escrita e pela aparência da mulher, percebeu logo que se tratava de uma psicografia e começou a acompanhar a escrita até que se surpreenderam com a assinatura que a mensagem trazia: Abraham Lincoln.
Foi aí que surgiu o “problema”. A mulher só veio a saber o que tinha feito, ao despertar com aquela “coisa” escrita na mão, quando se assustou ao ver a ilustre assinatura e ao saber, pelo casal, que aquela escrita veio pela sua mão. Entrou em pranto e pediu, pelo amor de Deus, que o casal não relatasse aquilo pra ninguém, até que resolveram me falar sobre o caso, pedindo-me opinião, quando eu disse que não teria a menor condição de avaliar uma mensagem daquela. Sugeri que chamassem alguém de inglês fluente para dar ver a mensagem.
Ao ser chamado um senhor idoso, da caravana de Boston, vivido há mais de 40 anos nos Estados Unidos, inglês fluente e muita cultura local, para dar uma olhada na mensagem, ele simplesmente disse que o inglês da mensagem era perfeito e erudito, trazia expressões antigas que nem eram mais usadas pelos americanos de hoje, um nível de inglês que não seria possível ser falado normalmente por uma senhora de mais de 40 anos, que estava nos Estados Unidos há apenas três. A mensagem falava da sua alegria e emoção em ver realizada a primeira semana espírita em seu País e acrescentava que ali estavam também presentes George Washington, Johnn Kennedy, Eisenhower e outros nomes ilustres da história do País.
Quanto mais o homem falava, mais nervosa a mulher ficava, num estado de fazer pena, que piorou muito quando eu sugeri que a mensagem fosse mostrada à Norminha (Norma Guimarães, organizadora principal do evento), e que deveria ser divulgada. Ela amassou o papel na mão, ameaçando rasgar, me pedindo para que não contasse para ninguém.
Preferi fazer a sua vontade, encerramos a conversa porque eu tinha também que tomar o meu café (não dispenso nunca os lanches dos eventos, porque eu não sou besta), e teria que voltar logo ao palco. Eu tinha certeza de que ela iria se acalmar e que a mensagem terminaria chegando ao conhecimento de todos.
Ao terminar a atividade do dia, procurei pela mulher e não a vi mais. O casal disse-me que ela fora embora, dizendo que iria rasgar a mensagem e que não voltaria mais.

Raciocinemos

Façamos algumas perguntas:
A médium era trabalhadora espírita militante, experiente e conhecedora profunda da doutrina?
Não. No Rio de Janeiro, onde vivia antes, fora no máximo freqüentadora não assídua de um centro espírita; em Nova York havia ido apenas umas quatro vezes ao centro espírita.
Comunicações mediúnicas só podem vir através de médiuns altamente experientes e com um determinado número mínimo de anos qualificado como trabalhador em algum centro espírita? Só podem vir por pessoas que fazem o curso de médium, que dura anos, na Federação Espírita do Estado de São Paulo?
Não. Nada disto. Chico Xavier e Divaldo nunca fizeram curso nenhum para se diplomarem em mediunidade.
Um espírito como o Abraham Lincoln, por ser quem foi, por acaso se comunicaria através de uma “mediunzinha” qualquer, ainda mais brasileira e faxineira em Nova York, ou diria: “Só me comunico se for por Chico Xavier ou Divaldo Franco”?
Será que é assim que a coisa se processa no mundo espiritual?
Meu amigo e minha amiga:
Não quero com este relato afirmar que a mensagem era autêntica, primeiro porque eu não tinha a menor condição de avaliá-la, segundo porque mesmo que eu falasse um inglês fluente (não falo nem o básico) eu nunca estudei sobre o Lincoln para conhecer bem o seu estilo e as formas de frases que ele costumava construir. O máximo que sei é que ele realizava reuniões mediúnicas na Casa Branca.
Mas raciocinemos:
Por quais motivos um ex-presidente americano, com esse tipo de afinidade, não compareceria a um evento espírita histórico e pioneiro em seu País?
Qual o espírita, altamente entendido em Espiritismo, vai dizer que seria impossível que espíritos como Lincoln, Washington, Kennedy e outros ficarem satisfeitos com um evento daquele em Nova York, mesmo sendo realizado por iniciativa de brasileiros?
Ok. É óbvio que todos, de bom senso, aceitam a hipótese deles estarem presentes no ambiente e que um deles pode ter decidido se comunicar.
Chico Xavier não estava na platéia, Divaldo também não, porque ele não participou da primeira semana espírita de lá, participou da segunda, juntamente com José Raul Teixeira. Medrado só chegou mais tarde.
O espírito ficaria limitado a esperar que um médium de “renome” aparecesse?
Claro que não.
O que ele pode ter feito?
Já que os espíritos não discriminam ninguém, o comunicante aproveitou-se e pegou a primeira “antena” que viu no ambiente e “vai por esta mesmo”.
Qual o problema?
Repito que não quero aqui dar autenticidade à mensagem, porque o objetivo meu não é este. Apenas quero deixar claro que as conveniências dos espíritos superiores não são as mesmas nossas.
Agora, olhando pelo lado da pobre mulher que recebeu a mensagem:
Ela foi egoísta em ficar com a mensagem e não dá conhecimento a ninguém?
Claro que não, ela ficou foi muito nervosa e perturbada com medo do que os próprios espíritas poderiam fazer com ela, caso dissesse que fora portadora de uma mensagem proveniente do Lincoln.
Vale lembrar que, na véspera, o Benjamin Teixeira, (aquele menino notável de Aracajú, Sergipe, que também estava lá) havia recebido uma mensagem que era assinada por um espírito que se identificava como Erasto e os comentários não foram nada agradáveis. Muito pelo contrário.
Eu, se fosse comigo, hoje não faria o mesmo porque não tenho mais medo da perversidade que lamentavelmente existe em grande parte do movimento espírita (muito pelo contrário, encaro mesmo e solto o verbo), mas a maioria dos médiuns tremeriam de medo porque com certeza seriam vítimas da língua de muitos espíritas.
Não vamos muito longe: você, que é médium, que é do interior do Ceará, do Rio Grande do Sul, da Bahia ou que trabalha num centro espírita que considera muito simples (espírita adora dizer que o centro em que trabalha é simples e pobre) experimente dar passagem a um espírito de nome muito conhecido, como Dr. Bezerra, Joanna, André Luiz, Humberto de Campos e qualquer outro desse nível pra você ver uma coisa.
De fato vão baixar o sarrafo em você, vão dizer que você é invigilante, que está sob domínio da vaidade, que está precisando de tratamento, que tem que passar pela desobsessão e todas essas coisas, porque essa “humildade” besta que muitos espíritas praticam, que nada tem a ver com a verdadeira humildade, é uma coisa horrorosa.
O que eu fiquei mais impressionado ainda é que, falando recentemente ao telefone com a Norminha, grande e pioneira trabalhadora espírita em Nova York, e também com a Jussara Korngold, outra notável trabalhadora e tradutora de livros para o inglês, devido a fluência que tem, ambas minhas amigas queridíssimas, nenhuma das duas sabiam da mensagem, o que se conclui que ela fora para o lixo mesmo ou esteja bem guardada com essa mulher que nunca mais eu vi, nas outras viagens que fiz à Nova York.
Sabemos que a mediunidade e o espiritismo devem ser tratados com todo cuidado, mas todo excesso significa burrice.

Conclusão

Eu posso garantir aos espíritas que o Emmanuel, o André Luiz, o Dr. Bezerra e o Humberto de Campos nunca assinaram qualquer contrato de exclusividade com o Chico Xavier, em nenhum cartório de Pedro Leopoldo ou Uberaba; a Joanna de Ângelis nunca assinou qualquer contrato de exclusividade com o Di, em nenhum cartório de Salvador. É óbvio que aqueles benfeitores tiverem e continuam tendo afinidades com os médiuns citados, mas entre ter afinidade e ter exclusividade há uma diferença muito grande.
Sabem porque eles não trabalham mais nas atividades espíritas?
Porque os espíritas não deixam!
Muitos espíritas são chatos mesmo, querem saber mais de Espiritismo do que os próprios espíritos da Codificação e o próprio Kardec, não levam as suas conclusões e decisões ao crivo da lógica e do bom senso antes de praticá-las e estão travando o desenvolver do Espiritismo no mundo.
Por tudo isto quero sugerir a todos os médiuns, que têm consciência de que são pessoas estudiosas, conhecedoras da doutrina, conscientes das suas condutas morais e éticas: Não condicionem as suas mediunidades ao que os outros vão pensar ou dizer.
Se começar a ver um espírito vestido de freira, identificando, por exemplo, com a foto da Joanna de Angelis que todos nós conhecemos, não tem nada que ficar nervoso e com essa mania boba do “quem sou eu para merecer a comunicação de um espírito desse nível”. Pare com isto, deixe de palhaçada e dê passagem ao espírito. E se for ela mesmo?
Limite-se a dizer ao grupo:
- “Olhe gente: O espírito disse ser a Joanna de Angelis, estava se apresentando vestida como ela e mandou a mensagem. Agora vocês avaliem e digam o que acham. Não quero afirmar que foi ou não foi ela, apenas estou passando a mensagem”
Pronto. Qual o problema?
Jamais sejamos submissos à língua de quem quer que seja.
Deixemos os espíritos trabalhar, gente! Espiritismo sem espírito é corpo sem alma, é roseira sem rosas e é céu sem estrelas.
Tenhamos mais confiança em nós mesmos e eliminemos do movimento a triste prática de patrulhar os próprios confrades, principalmente os médiuns.
Voltemos a examinar as obras básicas e percebamos que o Espiritismo veio ao mundo através dos espíritos pela via mediúnica e relembremos bem Leon Denis quando diz que "O futuro do Espiritismo será aquilo que os espíritas fizerem dele".

Fiquemos agora com um interessante artigo escrito pelo querido amigo Alkíndar de Oliveira, este que, ao meu ver, é um dos maiores exemplos de coerência do movimento espírita.


Abração a todos

Alamar


O expositor espírita
Caros amigos espíritas, agradeço se puderem (e quiserem) repassar este
aos oradores espíritas do seu relacionamento.

DECÁLOGO DO EXPOSITOR ESPÍRITA
Alkíndar de Oliveira

I) O expositor espírita não pode transferir para os mentores espirituais o esforço e o preparo que lhe cabem.

II) O expositor espírita deve, de preferência diariamente, dedicar parte do seu tempo para:
- ler bons livros;
- meditar;
- fazer elaborações mentais;
- tirar conclusões;
- coletar frases e textos que sirvam como futuras fontes de referência, ou de inspirações, às suas palestras.

III) O expositor espírita deve preocupar-se em ter exemplar conduta e esmerar-se por colocar em prática o que prega.

IV) O expositor espírita deve:

- conscientizar-se que mesmo sendo imperfeito e vacilante em relação à sua evolução moral e espiritual, a Doutrina necessita de sua pregação;
- entender que o pouco que está fazendo em prol da Doutrina e da evolução, é muito, considerando-se que foi dado o 1º passo, pois, como disse Emmanuel: "Quando uma centésima parte do Cristianismo de nossos lábios conseguir expressar-se em nossos atos de cada dia, a terra será plenamente libertada do mal

V) O expositor espírita deve:
- evitar emitir opiniões pessoais contraditórias, sem sustentação doutrinária;
- sempre lembrar-se que a Doutrina tem sua base filosófica e religiosa codificada nos livros de Allan Kardec, os quais - os livros - devem servir como sustentação maior nas suas palestras;
- preocupar-se menos com a letra dos conceitos evangélicos e mais com os conceitos evangélicos da letra.

VI) O expositor espírita deve ter a certeza de que, no momento de sua fala, a ajuda espiritual não lhe faltará e sim, estará intensamente presente e atuante, se fizer a sua parte:
- desenvolvendo sua expressividade e técnicas retóricas;
- estudando e preparando previamente o tema;
- compreendendo a importância do momento, dedicando-se mentalmente à vibrações de amor, paz, humildade e caridade.

VII) Mesmo em conversas pessoais e informais, o expositor espírita deve auto-educar-se, pois, como disse André Luiz: "No estado atual da educação humana, é muito difícil alimentar, por mais de cinco minutos, conversação digna e cristalina, numa assembléia superior a três criaturas encarnadas".

VIII) O expositor espírita deve, quando for ditar normas de conduta, incluir-se como pessoa também necessitada, isto é:
em vez de dizer: "Vocês precisam preocupar-se com a evolução moral",
dizer: "Nós precisamos preocuparmo-nos com nossa evolução moral".

IX) O expositor espírita deve:
- ser um homem do seu tempo;
- falar com constância, em suas palestras, de Deus, de Jesus e da Doutrina;
- viver intensamente o sublime momento da palestra, agradecendo ao Mestre e aos mentores espirituais pela felicidade de ser humilde instrumento das palavras de Deus.

X) O expositor espírita deve ser simples e humilde, pois, como disse Padre Vieira: "Nada há tão grande como a humildade". E, com humildade e simplicidade, deve sentir-se motivado para proferir contínuas palestras, tendo a certeza da ajuda do Mestre e a convicção de que a rosa perfuma primeiro o vaso que a transporta.


Abração a todos.


Alamar Régis Carvalho
alamar@redevisao.net
www.redevisao.net
www.alamar.biz
www.redelivros.net
orkut “alamarregis”

Sem comentários:

A Natureza é assim... Deus nos ensina se soubermos estar atentos...

A Natureza é assim... Deus nos ensina se soubermos estar atentos...
"Espíritas! Amai-vos, eis o primeiro mandamento; Instruí-vos, eis o segundo."

Vale a pena

Loading...

Se o amor se vai

Loading...